Metrô lamenta transtornos e explica atrasos

JB Online

RIO - O Metrô Rio divulgou nota em que lamenta os transtornos causados aos usuários na manhã desta terça-feira e explica os atrasos nas composições. Confira a nota na íntegra:

''O Metrô Rio lamenta os transtornos na operação esta manhã e explica que hoje a partir das 5h começou a funcionar em fase de pré-operação a nova Linha 2, a partir de Pavuna até Glória, sem baldeação em Estácio.

Em função de ajustes relativos à nova operação, os trens precisaram circular em velocidade menor do que a usual, gerando atrasos no intervalo entre trens. No início da operação, às 5h, algumas composições ainda estavam no Centro de Manutenção fazendo a rotina diária de inspeção, o que também contribuiu para o atraso na circulação.

As composições foram sendo liberadas na medida em que estavam em condições de transportar passageiros com segurança. As duas situações combinadas geraram atrasos de 10 minutos na linha 2 e de 15 minutos na Linha 1 entre 5h e 8h. A partir das 8h, os intervalos entre trens ficaram irregulares, variando de 8 até 12 minutos nas duas linhas. Nenhuma estação foi fechada. Por medida de segurança, para evitar superlotação nas plataformas, a concessionária apenas controlou o acesso às estações diminuindo o número de bilheterias, entradas e catracas de acesso. Foram feitos 9 atendimentos dentro das estações, nenhum passageiro precisou ser encaminhado ao hospital.

Para tentar acelerar a fase de ajustes da operação do trecho Pavuna-Botafogo, a concessionária decidiu estender hoje a circulação dos trens entre Pavuna a Glória até as 16h. Após as 16h e até o fim do horário de funcionamento do metrô, à meia-noite, os trens vão fazer a viagem completa entre Pavuna e Botafogo. Desta forma, o Metrô Rio espera compensar os atrasos com a viagem 13 minutos mais rápida permitida pelo fim da baldeação em Estácio.

A empresa pede a compreensão da população neste período e informa que vem trabalhando incessantemente há quase dois anos para aumentar a capacidade de transporte do metrô, com investimentos de R$ 1,15 bilhão.

Em menos de dois anos, desde quando foi autorizada pelo governo do estado a investir na expansão do metrô carioca, a empresa já comprou 19 trens (com 114 carros), que chegam a partir de 2011, modernizou o centro de controle de tráfego e entregou a obra Conexão Pavuna-Botafogo, para acabar com a baldeação em Estácio. Até 2007, a responsabilidade da concessionária se restringia à operação e manutenção dos trens. A compra de trens e expansão da rede e estações eram responsabilidade exclusiva dos governos do estado, que ao longo dos 30 anos do metrô construíram estações, mas não compraram mais trens para atender à crescente demanda. Hoje, o Metrô Rio opera com quase 100% da frota (33 trens com 182 carros), que é da década de 70, e faz manutenção preventiva diária entre meia-noite e 5h, quando o serviço abre à população''.