Beltrame diz que falou no ardor do debate

Jornal do Brasil

RIO - Um dia depois de ter declarado que o Rio não é uma cidade violenta , o secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, procurou se retratar através de um comunicado oficial, enviado à imprensa no fim da tarde de sexta-feira. Beltrame lamentou a afirmação, dizendo que ela foi feita no ardor do debate na Comissão de Segurança Pública da Câmara Federal.

De acordo com o secretário, se não fosse o problema dos confrontos armados e das disputas territoriais por facções criminosas rivais, com o uso de fuzis, a situação do Rio seria comparável com a da maioria das metrópoles do país e do mundo .

A população civil acaba convivendo com situações críticas nessas áreas de conflito. As áreas do Rio que não sofrem com a influência danosa da guerra de facções têm problemas típicos de qualquer cidade grande. Mas mesmo as pessoas que moram nestas áreas distantes dos conflitos também são vítimas do contexto por conta do trauma que tais eventos provocam , diz Beltrame na nota.

Defendendo o estado

O secretário afirma ainda que, estando há dois anos e 11 meses no cargo, tem a exata dimensão dos problemas que tem que enfrentar. Ele ressalta, no entanto, que, como gestor público, se vê no direito de defender o Rio de Janeiro de críticas exageradas .

O problema do Rio, dizia, é diferente, pois somos o único estado com disputa de território por facções, uso de fuzis e ideologia de enfrentamento.

Na nota, Beltrame também aponta como principais ações da Secretaria de Segurança Pública a repressão incessante ao tráfico armado, prisões de milicianos, plano de redução de crimes com metas, UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora) e a política de enfrentamento.