Conflito entre traficantes em Bangu deixa mais de 9 mil sem aula

Jornal do Brasil

RIO DE JANEIRO - Após um fim de semana de confrontos entre traficantes rivais na comunidade de Vila Kennedy, em Bangu (Zona Oeste) a Polícia Militar praticamente ocupou nesta terça-feira a região. Por medida de segurança, segundo a assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Educação, nove escolas e quatro creches foram fechadas pela manhã, além de outras quatro escolas terem funcionado com baixa frequência. Cinco estabelecimentos foram abertos, mas não houve comparecimento de alunos. Cerca de 9.319 estudantes do ensino fundamental, dos turnos da manhã e da tarde, foram prejudicados.

De acordo com a Secretaria estadual de Educação três escolas da rede estadual de ensino Colégio Jorge Zarur, Ciep Tarso de Castro e Escola João Daudt de Oliveira foram fechados.

Também por conta dos tiroteios, algumas empresas de ônibus atrasaram a saída dos coletivos para evitar passar no meio dos confrontos.

Mesmo com 70 homens da PM na Vila Kennedy e nas vizinhas Vila Aliança, Metral, Rebu e Coreia, muitos moradores deixaram suas casas carregando pertences.

Cinco pessoas ficaram feridas na disputa pelo controle das bocas de fumo. O clima voltou a ficar tenso na madrugada desta terça-feira, quando uma troca de tiros assustou moradores da comunidade. O policiamento foi reforçado por policiais do 14º BPM (Bangu), 9º BPM (Rocha Miranda) e 27º BPM (Santa Cruz), com o objetivo de evitar novos confrontos.

De acordo com a PM a invasão foi coordenada por Márcio José Sabino Pereira, o Matemático, e dois comparsas conhecidos como Barriga e Berrinho, todos do Terceiro Comando Puro (TCP), que controlam a região de Senador Camará (Zona Oeste). O Comando Vermelho (CV) domina as bocas de fumo da Favela Vila Kennedy.

No último sábado, uma disputa entre traficantes deixou seis pessoas feridas. Todos os feridos são moradores e foram atendidos no Hospital Albert Schweitzer, em Realengo (Zona Oeste).