Disputa por pontos de tráfico deixa cinco feridos no Rio de Janeiro

Agência Brasil

RIO DE JANEIRO - A disputa de traficantes pelo controle dos pontos de comercialização de drogas na Vila Kennedy, na zona oeste do Rio de Janeiro, comunidade que fica às margens da Avenida Brasil, a principal ligação da região com o centro da cidade, deixou cinco pessoas feridas. Quatro delas foram atingidas por balas perdidas durante uma troca de tiros entre as quadrilhas rivais na madrugada e início da manhã deste domingo e uma foi espancada na manhã desta segunda-feira.

O comandante do 14º Batalhão da Polícia Militar, responsável pelo policiamento na área, tenente-coronel José da Silva Macedo, disse que a PM está ocupando, por tempo indeterminado, pontos estratégicos da Vila Kennedy para evitar novos confrontos e garantir a segurança dos moradores. Nesta segunda-feira, Dia de Finados, a movimentação na favela foi tranqüila, apesar do clima tenso vivido no dia anterior.

Logo cedo, um homem identificado como Henrique da Silva Félix, de 32 anos, foi encontrado por policiais agonizando em um galpão abandonado próximo da Avenida Brasil. Levado para o Hospital estadual Albert Schweitzer, em Realengo, ele contou que foi espancado por um grupo de traficantes que o confundiram com um integrante de uma quadrilha rival. Muito machucado, Henrique, que trabalha como pedreiro, continua internado no hospital, sendo submetido a vários exames.

Em entrevista à Agência Brasil, o comandante Macedo disse que traficantes das Favelas Rebu e Coréia, em Senador Camará, e Vila Aliança, em Bangu, que são separadas da Vila Kennedy por um morro, tentaram chegar a esta comunidade pela mata ainda na madrugada de domingo, travando um intenso tiroteio com os traficantes da Vila.

- Posso assegurar que esta tentativa de invasão foi planejada e comandada pessoalmente pelo traficante Márcio José Sabino, vulgo Matemático, que tenta expandir seus domínios. Por outro lado, a comunidade da Vila Kennedy está enfraquecida devido às apreensões de drogas e prisões de bandidos que vem sendo feitas pelo 14º Batalhão - explicou o comandante.

O tenente-coronel Macedo admitiu que há informações de que traficantes de favelas da zona norte estariam migrando para comunidades da zona oeste para fugir ao cerco policial montado desde o último dia 17 de outubro, quando traficantes do morro São João, no Engenho Novo, tentaram invadir o morro dos Macacos, em Vila Isabel. Porém, ele disse que "é precipitado afirmar que haja uma migração ou êxodo em massa".

Das outras quatro vítimas do confronto, apenas o motorista de uma van, André Luiz de Souza Pereira, de 33 anos, continua internado na unidade. Ele foi atingido por um tiro na barriga e operado. Uma passageira da van, ferida de raspão nas nádegas, um adolescente ferido na coxa, e outro atingido de raspão no pé já foram liberados.