Polícia do Rio contabiliza 39 mortos em confrontos

Portal Terra

RIO - A Polícia Militar do Rio de Janeiro divulgou no final da tarde desta sexta-feira um novo balanço das operações realizadas na capital carioca desde o último sábado para capturar os criminosos responsáveis pelas ações que resultaram em um helicóptero da PM abatido e três policiais militares mortos. Segundo a PM, 39 pessoas já morreram em confrontos com a polícia, incluindo neste número os oito corpos de traficantes encontrados nas últimas 48 horas, 58 suspeitos foram presos e 38 armas e cinco granadas foram apreendidas.

Na favela do Fumacê, em Realengo, zona oeste do Rio, seis corpos de traficantes mortos em confronto com a polícia foram encontrados no início da manhã de hoje com marcas de tiros. Quatro deles estavam em uma lixeira e dois foram deixados na rua. Na madrugada desta quinta-feira, outros dois corpos de traficantes, que também teriam morrido em confrontos com a polícia, foram encontrados em frente ao Hospital Getúlio Vargas, na Penha, zona norte da cidade.

Entre as operações realizadas pela PM hoje nas favelas da cidade, apenas uma deixou feridos. Na Vila Cruzeiro, na zona norte da cidade, três pessoas foram atingidas por balas perdidas durante o confronto entre policiais e supostos traficantes. Segundo a PM, os baleados foram encaminhados para o Hospital Getúlio Vargas.

No Parque das Missões, 10 suspeitos foram presos e 2 menores apreendidos. Na favela do Jacarezinho, 2 menores foram apreendidos com 4 pistolas e material entorpecente.

Entre os mortos contabilizados pela PM estão os três policiais que morreram em decorrência da queda do helicóptero em que estavam durante a tentativa de pouso no morro dos Macacos, além de três vítimas inocentes.

A escalada da violência no Rio começou no último sábado, quando traficantes do morro de São João tentaram invadir o morro dos Macacos. A PM interviu no confronto e os criminosos conseguiram abater um helicóptero da corporação, matando três PMs. No Jacarezinho e na Mangueira, traficantes atearam fogo em oito ônibus. Desde então, a polícia realiza operações em diversas comunidades da cidade em busca dos criminosos responsáveis pela invasão de sábado.