Paes afirma que sonho do Rio é ser como Barcelona

JB Online

RIO DE JANEIRO - o fim da primeira missão do projeto Roadshow Rio Olímpico por cidades europeias sedes dos Jogos, o prefeito Eduardo Paes elegeu Barcelona como o modelo para o Rio em 2016. Paes quer que o Rio de Janeiro se transforme por completo assim como aconteceu com a cidade espanhola e, para aproveitar toda a experiência das Olimpíadas de 92, assinou nesta sexta-feira (23/10) um acordo de cooperação com o prefeito catalão Jordi Hereu. Pelo convênio, a prefeitura do Rio vai ter acesso aos projetos detalhados e a ajuda de técnicos para compartilhar as estratégias que foram responsáveis pelas mudanças sociais, econômicas e urbanas em Barcelona como, por exemplo, a renovação da Área Porturária, que estava completamente abandonada e, graças ao Jogos, se tornou um dos principais pólos de desenvolvimento, turismo e lazer da cidade.

- Trocar experiência com Barcelona já seria uma oportunidade fantástica mesmo sem os Jogos. Agora que as duas cidades têm em comum o fato de serem olímpicas queremos um intercâmbio cada vez maior. O caso de Barcelona é muito parecido com o do Rio: havia uma área do Porto degradada, uma cidade deprimida, num baixo astral onde as coisas começaram a mudar. O ponto de virada para eles foram as Olimpíadas. Nós queremos aproveitar ao máximo a mesma oportunidade. O sonho do Rio é ser Barcelona amanhã - afirmou Paes.

Durante a assinatura do acordo, o prefeito de Barcelona lembrou que o dia seguinte aos Jogos é tão importante quanto os quinze dias do evento e, por isso, o projeto das Olimpíadas tem que significar mudanças efetivas para a cidade.

- Se, em outubro de 86, Barcelona inteira saiu às ruas para comemorar como o Rio fez agora é porque a nossa população percebeu que tínhamos ganhado uma grande oportunidade e que tinha que se converter em realidade. Agora é a chance do Rio transformar um sonho numa realidade magnífica. Na construção deste projeto, o Rio de Janeiro poderá contar sempre com Barcelona ao seu lado - disse Jordi Hereu.

Nos dois últimos dias, além de visitar instalações esportivas de Barcelona (como o Estádio Olímpico e o ginásio Palau Sant Jordi), Eduardo Paes se reuniu com várias pessoas que participaram da organização dos Jogos de 92 e da transformação da cidade espanhola entre elas, o ex-prefeito à época Pasqual Maragall. Para Paes, a maior lição de Maragall é de que a cidade-sede deve ser a protagonista, as olimpíadas devem servir a ela e não o contrário.

- O ex-prefeito me disse que há dois tipos de Jogos: aqueles em que a cidade serve aos Jogos e os Jogos que servem à cidade. Em Barcelona, não se fez absolutamente nada sem se pensar no benefício que isso traria para cidade. Não houve preocupação com luxo, com equipamentos esportivos exagerados. Houve a preocupação de que forma esses investimentos poderiam melhorar a vida dos moradores e visitantes. Por isso, Olimpíadas em Barcelona deram tão certo. Eu quero que os Jogos também possam servir ao Rio.

No início da noite, Eduardo Paes embarcou de volta para o Rio, depois de cinco dias de visitas às cidades de Londres, Atenas e Barcelona para a troca de experiências sobre a organização dos Jogos Olímpicos.

- Nós estamos nos esforçando para não cometer erros por inexperiência. Por isso, é tão fundamental aprender com pessoas que realizaram as Olimpíadas. Nós não viajamos para ver apenas estádios. Isso, engenheiros e arquitetos podem fazer. Nós viemos aqui para entender como as cidades e os governantes exploraram ao máximo o potencial de mudança, a capacidade de transformação com os Jogos. Uma oportunidade como esta é única na história de uma cidade - concluiu o prefeito do Rio.