Homenagem a choque de ordem cria polêmica na São Clemente

Caio de Menezes, Jornal do Brasil

RIO DE JANEIRO - Com o samba-enredo Choque de Ordem na Folia , o Grêmio Recreativo Escola de Samba São Clemente promete suscitar polêmica no desfile do grupo de acesso do carnaval 2010. A primeira delas já nasce no berço de apoio da escola de Botafogo, que tem como maioria de seus componentes os moradores da favela Santa Marta. Já há quem considere inadequado homenagear uma operação que atinge diretamente o trabalho de muitos moradores do lugar.

Para um integrante da bateria da São Clemente, que toca caixa, o samba-enredo provoca um sentimento de ambiguidade.

Ao mesmo tempo que é interessante, não me agrada ficar batucando e gastando meu suor para homenagear o Choque de Ordem. Trabalhava em sinais vendendo bebida e já sofri com a operação. Levaram tudo o que eu tinha, eram produtos do meu trabalho, garantia meu ganha pão revolta-se.

O comerciante João Neto, dono de uma barraca de balas e bebidas no Santa Marta também protesta contra a escolha da São Clemente. Para ele, a escola não prestou atenção no que as pessoas pensam sobre o tema.

Vendia panos de prato e toalhas nas ruas e, por três vezes, o Choque de Ordem levou meus produtos. Me devolveram só uma pequena parte do material. Se encontrar o pessoal dessa operação de novo, caio de pau e pedra neles! Um absurdo essa homenagem.

Já Estevam Aguiar, que vende rações na favela de Botafogo, a iniciativa da prefeitura é importante. Diferentemente dos vizinhos, ele acredita que a ação traz benefícios para a cidade.

Tem que ter ordem, é melhor trabalhar dentro da legalidade.

Enredo quer resgatar tradição

O carnavalesco da escola, Mauro Quintaes, esclarece que um dos motivos da escolha do enredo foi a tentativa de resgatar características tradicionais da agremiação.

Sempre fomos uma escola irreverente. Propusemos, e escolhemos, esse tema para fazer uma analogia com as operações que tentam pôr em ordem a cidade com o que queríamos que fosse feito com o Carnaval. A intenção é resgatar as características da festa, há muito deixadas de lado - justifica. Para Quintaes, se for mantida a forma como o carnaval evolui, sambistas tradicionais vão se afastar cada vez mais . - As rainhas de bateria não são mais das comunidades, são modelos, o samba já está modificado, até Rei Momo agora é magro.

O vice-presidente da São Clemente, Roberto Gomes, acredita que o tema vai deixar a escola em evidência.

Cada vez que fizerem uma operação Choque de Ordem na cidade, a São Clemente será lembranda. Vai ser muito bom para a gente aposta Gomes.