Capitão da PM nega omissão de socorro a líder do AfroReggae

Portal Terra

RIO DE JANEIRO - O capitão Denis Leonard Nogueira Bizarro, um dos policiais militares acusados de não terem prestado socorro ao coordenador do AfroReggae, Evandro João da Silva, 42 anos, assassinado durante um assalto na madrugada de domingo, quando saía de uma boate no centro do Rio de Janeiro, prestou depoimento na noite de quarta-feira, na 1ª Delegacia de Polícia (Praça Mauá). Segundo o delegado José Luiz Duarte, o capitão negou ter omitido socorro.

O cabo Marcos Oliveira Salles foi ouvido apenas na tarde desta quinta-feira pelo delegado José Luiz Duarte. Com base no depoimento dos dois, foi feito o retrato falado de um dos bandidos, divulgado pela Polícia Civil na noite desta quinta-feira. De acordo com o comandante geral da PM, Mário Sérgio Duarte, os policiais estão na corporação há mais de oito anos.

O capitão e o cabo estão presos administrativamente no 13º Batalhão da PM (Tiradentes) por um prazo de 72 horas. Segundo o comandante Mário Sergio, após investigação interna, eles poderão levar desde uma punição leve até ser expulsos da corporação.

Os PMs estão respondendo, ao mesmo tempo, ao inquérito policial militar e ao inquérito civil. Se a prisão preventiva for pedida, os PMs serão transferidos para o Batalhão Especial Prisional, em Benfica, zona norte do Rio.