Crea recebe denúncias de falta de manutenção nos trens da Supervia

JB Online

RIO DE JANEIRO - Após visita ao centro de manutenção da SuperVia, em Deodoro, o presidente do Crea-RJ, Agostinho Guerreiro, considerou prematuras as explicações da empresa de que os sucessivos acidentes envolvendo trens da concessionária foram motivados apenas por atos de vandalismo. Guerreiro reconheceu o aumento do número de passageiros atendidos e a redução de atrasos, mas disse que é preciso avaliar tecnicamente e de forma criteriosa todo o funcionamento do sistema ferroviário e, principalmente, a manutenção diária dos trens.

"Apesar das várias perguntas feitas hoje aos técnicos da SuperVia, restaram dúvidas. No centro de manutenção, vimos o equipamento chamado pantógrafo que, segundo a Supervia, teria sido atingido por pedras atiradas por desconhecidos e vimos, nos vagões, a localização dos manetes que servem para acionar as portas. Será que todos os acidentes foram de fato motivados apenas por vandalismo? É recomendável aprofundar esta discussão

para que tudo seja esclarecido", afirmou o presidente do Conselho.

Segundo Agostinho Guerreiro, o Sindicato dos Engenheiros havia encaminhado ao Ministério Público, em 2001, denúncia sobre a falta de manutenção na rede ferroviária fluminense. Na última sexta-feira, o presidente do Sindicato dos Ferroviários da Central do Brasil, Valmir Lemos, esteve no Conselho pedindo o apoio da entidade na implantação de um grupo de trabalho para apurar as causas dos acidentes com trens da SuperVia.

"O Crea vai acompanhar junto com a ALERJ, o Sindicato dos Ferroviários, o Governo do Estado e a Agência Reguladora de Serviços Públicos Concedidos de Transportes Aquaviários, Ferroviários e Metroviários e de Rodovias do Estado do Rio de Janeiro- AGETRANSP, o andamento das investigações até que tudo seja esclarecido. Nosso papel é auxiliar com nossos técnicos através da Comissão de Análise e Prevenção de Acidentes do Crea", disse Guerreiro.