Conflito no Rio foi 'ataque terrorista', afirma OAB

Portal Terra

RIO - O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) do Rio de Janeiro, Wadih Damous, divulgou nota nesta segunda-feira cobrando ações de inteligência contra as possíveis falhas que permitiram o que ele classificou de "ataques terroristas", que ocorreram no Rio no último fim de semana.

Pelo menos 20 pessoas morreram durante os confrontos entre a Polícia Militar e criminosos do Morro dos Macacos, na zona norte da capital fluminense. Um helicóptero blindado da polícia foi derrubado e três agentes que estavam a bordo morreram.

Segundo o presidente da OAB, o combate ao crime organizado depende de investimentos em tecnologia e inteligência no setor de segurança.

- Afirmar essa proteção dos direitos civis e sociais das áreas sob disputa de domínio pelos criminosos requer fortes investimentos e também que o tráfico seja combatido com rigor, dentro dos procedimentos internacionalmente aceitos - diz a nota da OAB.

O presidente do órgão ainda enfatizou que ficou claro que moradores de favelas não são responsáveis por esconder os criminosos da ação policial.

- Nesse fim de semana, desfez-se o mito de que as populações das áreas pobres dão guarida ao crime. Essas milhares de famílias de trabalhadores são marginalizadas, mas pelo Estado. Somos todos cidadãos e queremos segurança, paz, proteção. Proteção que o poder público tem o dever de assegurar, a partir dos procedimentos do Estado democrático de direito.

Nesta segunda-feira, a polícia realizou operações em seis favelas cariocas para conter o crime. Cerca de dois mil policiais foram aos morros tentar capturar os traficantes que participaram direta ou indiretamente da ação criminosa.