OAB-RJ diz que onda de violência deve ser reprimida

Agência Brasil

RIO DE JANEIRO - O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) do Rio de Janeiro (OAB-RJ), Wadih Damous, afirmou neste sábado que não é mais aceitável que a cidade tenha territórios demarcados por bandidos, em referência ao confronto de entre traficantes rivais e policiais no Morro dos Macacos, nos bairros de Vila Isabel e Sampaio, na zona norte da cidade do Rio de Janeiro.

Em nota, ele considera "a onda de violência" ocorrida neste sábado no Rio como "cenas de banditismo e terrorismo que devem ser duramente reprimidas", dentro da lei e da ordem.

Damous lembrou que também não é mais aceitável que as áreas mais pobres da cidade não recebam a atenção do Estado em termos de investimentos maciços nas áreas de saúde, educação, emprego, saneamento básico e segurança pública. "Como sempre, essas ações acontecem em áreas carentes de investimentos sociais por parte do Estado", disse Damous.

O presidente nacional da OAB, Cezar Britto, também comentou, em nota, a situação no Rio. "O estado paralelo do crime não é obra de ficção. Ele humilha, mata, e explode os alicerces da República. Até quando?", questionou.