Moradores do Morro Dona Marta reclamam de iluminação precária

Caio de Menezes, JB Online

RIO - Os moradores do Morro Dona Marta já não se preocupam tanto com a possível invasão de privacidade provocada pelas nove câmeras instaladas pela Polícia Militar, em setembro, para monitorar a movimentação na comunidade. A falta de iluminação pública nos becos, vias e escadarias da comunidade, chamada de Santa Marta, não permite, em alguns locais, que se enxergue um palmo, muito menos que imagens sejam captadas.

Simone Lopes, da ONG Grupo Eco, chamou a atenção para um dos muitos transtornos causados pela carência de postes de luz em diferentes pontos da favela. Para ela, a deficiência do serviço prejudica até o trabalho da polícia, já que a falta de luz impede o monitoramento.

Não adianta nada instalar as câmeras sem ter luz. Como vão ver alguma coisa?

A diarista Roseli Ribeiro Duarte, de 34 anos, reclama da dificuldade constante que enfrenta toda vez que precisa descer, à noite, as escadarias do morro.

Minha casa fica na parte alta do Dona Marta. O plano inclinado me ajuda a chegar e sair de lá, mas, às vezes, preciso andar pelo morro. Aí, é uma verdadeira guerra, ainda mais à noite. Nem todos os moradores podem deixar as luzes de casa acesas para iluminar as ruas, a maioria apaga tudo.

Para Roseli, que teve a casa construída pelo governo estadual há quatro anos, falta a presença da Rioluz, empresa da prefeitura responsável pela iluminação das áreas públicas da cidade.

Assim que construíram minha casa, colocaram um poste de luz bem em frente, mas há dois anos ele não funciona. É só vir aqui e consertar, mas ninguém faz isso. O que custa subir o morro, ainda mais agora que ele tá tranquilo? questiona, referindo-se à presença, desde dezembro, da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) no Dona Marta.

Noite barulhenta

Já a dona-de-casa Danila da Conceição, de 20 anos, conta que, curiosamente, o cenário escuro, não propicia sono mais tranquilo.

Ao invés de o escurinho ajudar na hora de dormir, ele acaba atrapalhando. Vira e mexe alguém passa aqui e leva um tombo, se quebra todo, dá um grito e depois xinga e reclama. Uma vez, tive que acordar pra acudir um menino que caiu bem em frente à minha casa.

Danila cita outros problemas que resultam da falta de iluminação.

Sempre tem uns engraçadinhos que aproveitam para aprontar. Outro dia, sumiram umas roupas do meu varal. Também já largaram um casaco e uma meia no meu quintal, vai saber o que não fizeram aqui conjectura a dona-de-casa.

Lazer prejudicado

O professor de música da ONG Atitude Social, também instalada no Dona Marta, Pierre Avila, conta que a escuridão acabou com uma opção de lazer dos moradores.

A quadra da arena não tem mais iluminação. As peladas acabaram, porque a Light retirou todos os fios dos postes. Agora, precisamos ligar os fios na casa de algum morador. É o único jeito de acender os refletores.