Prefeitura prometeu, mas ainda não assinou contrato com Liesa

Camilla Lopes, JB Online

RIO - A menos de quatro meses do Carnaval, e mesmo com a decisão do prefeito Eduardo Paes de manter a Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa) à frente da organização e repasse de verbas do evento no Sambódromo, o contrato ainda não foi assinado e os recursos estão retida na prefeitura.

Tudo o que sabemos até agora foi divulgado pela mídia. Não temos ainda nenhuma posição oficial da prefeitura e ainda não assinamos o contrato anual. Geralmente, ele é firmado em agosto e já estamos no meio de outubro ressalta Elmo do Santos, diretor de carnaval da Liesa.

A Liga, como nos anos anteriores, já repassou a tradicional carta de crédito para que os fornecedores possam ceder a matéria-prima para as escolas prepararem os desfiles.

Em geral, ainda de acordo com o Elmo dos Santos, os fornecedores são pagos em dezembro e, para 2010, a Liesa espera, como no carnaval deste ano, que R$ 4,5 milhões sejam repassados à Liga pela Riotur, a empresa de turismo da Prefeitura do Rio. O valor, segundo a Liesa, é divido igualmente entre as 12 escolas do grupo especial e não tem reajuste há oito anos.

No entanto, a maioria das escolas não conta com patrocínio da iniciativa privada e depende da verba da repassada pela Liesa, caso da Imperatriz Leopoldinense

Até agora, entre um adiantamento da Liesa e da verba que a TV Globo paga pelo direito de transmitir o desfile, nós recebemos cerca de R$ 1,5 milhão. Na verdade o que você não pode deixar de ter é dinheiro para pagar a mão-de-obra conta Wagner Tavares, diretor de carnaval da Imperatriz.

Todo esse atraso acontece pelo fato de a Prefeitura do Rio ter anunciado, em julho deste ano, que faria licitação para a organização do Carnaval na Marquês de Sapucaí. No último dia 10, porém, o prefeito Eduardo Paes admitiu que seria muito tarde para realizar um processo licitatório.

Na ocasião, o prefeito culpou uma provável morosidade na análise do edital feita pelo Tribunal de Contas do Município (TCM).

Segundo a assessoria de imprensa do órgão, o edital só foi entregue pela prefeitura no dia 27 de agosto, sendo devolvido com as recomendações em 9 de Setembro. O prazo foi considerado normal pelo TCM.

Acho que o prefeito agiu com bom senso ao voltar atrás e deixar com a Liga a organização do Carnaval. Mas eu confesso que, devido a essa incerteza, nós estamos atrasados e teremos que correr duas vezes mais para que tudo saia perfeito diz o presidente da Porto da Pedra, de São Gonçalo, Uberlan Jorge de Oliveira.

Sem a assinatura do contrato anual da Prefeitura do Rio com a Liga das Escolas de Samba, fica inviável a venda de camorotes e outros espaços no Sambódromo. Parte da receita dos ingressos é também revertida para as escolas.

Nós temos participação na venda dos ingressos, 25% é repassado para as escolas explicou Hiram Araújo, diretor cultural da Liesa.

O presidente da Liga, Jorge Castanheira, está temporariamente afastado das atividades por questões de saúde.

Estou fora do escritório, mas se devo voltar daqui a alguns dias, então não posso falar sobre o contrato, mas acredito que a Riotur está cuidando de tudo disse Castanheira ao JB, por telefone.

Até as 22h desta quarta-feira a Riotur, não respondeu aos questionamentos enviados por e-mail.