Gávea sonha com barreira acústica

Flávia Salme, Jornal do Brasil

RIO - Na contramão dos moradores de comunidades que margeiam a Linha Amarela, para os quais a instalação de barreiras acústicas é discriminatória, moradores da Gávea apresentam quinta-feira uma proposta ao prefeito Eduardo Paes: querem que o aparato seja erguido em uma área de aproximadamente 400 metros de comprimento, no trecho entre os túneis Dois Imãos e Zuzu Angel, que ligam o bairro a São Conrado. Incomodados com o barulho produzido pelos 76.403 veículos que passam diariamente pelo local, eles veem no projeto a última esperança para conseguir dormir em paz.

Nos horários de maior engarrafamento, ou seja, de manhã e no início da noite, ninguém tem tranquilidade. Falta sossego desde a hora que a gente deita até o momento de levantar. Quando tem acidente ou assalto, o que é comum na região, os motoristas começam a buzinar. As janelas tremem de tanto barulho reclama o oficial de Marinha Paulo Roberto Spranger, síndico do edifício Solar Marquês de São Vicente, que tem 16 apartamentos vizinhos ao intervalo entre os túneis.

Dos dois lados

De acordo com o presidente da Associação de Moradores do Alto Gávea (Amalga), o problema afeta a rotina dos moradores de mais de 15 prédios localizados no lado ímpar da Rua Marquês de São Vicente. Mas, como a via tem pontos estreitos, os vizinhos da lateral par não estão livres da celeuma.

Quanto mais alto é o prédio, mais sofrem os moradores, já que o barulho se propaga para cima. Desde a década de 1990, fazemos esse pedido, mas até agora, nada diz Joaquim Bocaiúva, presidente da Amalga.

Responsável pela 6ª Região Administrativa da prefeitura (que abrange os bairros de São Conrado, Gávea, Leblon, Ipanema, Jardim Botânico e Horto), Bernardo Carvalho reconhece a demanda dos vizinhos ao Zuzu Angel. Mas informa que a resposta definitiva, só a Secretaria de Obras pode dar.

Sei que existe a reivindicação, e até acho justa, mas meu papel se limita a encaminhar os pedidos para os órgãos responsáveis. Não tenho como garantir a esses moradores que eles serão atendidos.

A Secretaria de Obras informa que ainda não decidiu se aceitará o pedido dos moradores.

A Prefeitura do Rio informa que recebeu a solicitação e a encaminhou para a Coordenadoria Geral de Projetos, órgão vinculado à Secretaria Municipal de Obras. A sugestão está em fase de análise estrutural diz a nota divulgada.

Reunião

Em maio, a vereadora Andrea Gouvêa Vieira (PSDB) encaminhou o pedido ao secretário de Obras, Luiz Antônio Guaraná, mas ainda não obteve resposta. O texto foi organizado após reunião realizada no gabinete da parlamentar, no dia 7 de março, com moradores do bairro.