Idosos são detidos em um bingo clandestino de Copacabana

JB Online

RIO - Quinze idosos que passavam a tarde desta quinta-feira em uma casa clandestina de bingo na Travessa Cristiano Lacorte, entre as ruas Miguel Lemos e Djalma Ulrich, em Copacabana, foram surpreendidos por fiscais da operação Choque de Ordem, da prefeitura. No local, 50 máquinas caça-níqueis foram apreendidas e uma funcionária conduzida à 13ª DP, no mesmo bairro. Dois bares e a cozinha de um clube no Leme também foram fechados, por irregularidades.

Funcionários da Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop) informaram que os estabelecimentos não tinham alvará. Na Avenida Atlântica, eles suspenderam as atividades do Bar e Restaurante Imperator, ao lado do hotel Sofitel, que teve a licença de funcionamento cassada em 2006. As mesas e cadeiras foram recolhidas e a porta do lugar, lacrada. Documentação irregular também provocou o fechamento do restaurante Michelão Braseiro, na Rua Djalma Ulrich.

Não é possível manter estabelecimentos sem licença abertos na cidade. Não vamos tolerar esses abusos advertiu o secretário Rodrigo Bethlem, que coordenou o trabalho.

Os fiscais chegaram à casa de bingo por meio de uma denúncia. Ao flagrar a atividade ilegal, Bethlem ainda precisou enfrentar protestos de alguns idosos que faziam apostas. Uma jogadora chegou a esconder o rosto diante dos fiscais para conseguir gastar os últimos créditos depositados. Os apostadores foram todos liberados.

Na Ladeira Ary Barroso, que dá acesso aos morros da Babilônia e Chapéu Mangueira, no Leme, a Seop fechou a cozinha do Clube Copa Leme, que funcionava mesmo após ser interditada pela Vigilância Sanitária no ano passado. Além de comida estragada, como peixe, queijo e arroz, os fiscais encontraram baratas sobre o gelo utilizado nas bebidas. Como o clube está desativado, apenas o responsável pela cozinha foi multado. Além de pagar R$ 971,80 pela falta de higiene, ele terá que desembolsar R$ 728 pelo não cumprimento do edital de interdição. E também foi levado à 13ª DP.

O balanço da operação contabilizou ainda 41 carros rebocados, cinco deles abandonados. Dez menores foram encaminhados a abrigos e 40 quilos de frutas recolhidos para doação a instituições de caridade. O plantão de tolerância zero no bairro funciona 24 horas, e as ações serão intensificadas até domingo. Para fazer denúncias ou reclamações, moradores podem procurar a unidade móvel da Seop na Praça do Lido, no Posto 2, onde um ônibus da Guarda Municipal fica permanentemente estacionado para receber as queixas.