São Cosme Damião: comerciantes festejam o aumento nas vendas

Thiago Jansen, Jornal do Brasil

RIO DE JANEIRO - Se, para as crianças, o Dia de São Cosme e São Damião é sinônimo de balas, chicletes, pirulitos, suspiros e outros doces, para os comerciantes da Rua Senador Pombeu, no Centro do Rio, e do Mercadão de Madureira tradicionais pontos de venda e distribuição de balas e doces do Rio de Janeiro a data representa lojas cheias, filas nos caixas e lucro duplicado.

Ao lado do Dia das Crianças, é a época em que mais vendemos. A frequência cresce em torno de 60%, e as vendas podem aumentar até 200%. Tudo porque quem vem consumir nesta época compra sempre em grande quantidade conta Antônio Tanque, atual síndico do Mercadão de Madureira. Por isso, mesmo com um pequeno enfraquecimento da tradição nos últimos anos, a data ainda é muito importante para nosso setor.

Um mês antes

Alexandre Ferreira, vendedor há dez anos da loja Castelo do Biscoito, na Rua Senador Pompeu, concorda com Antônio.

Um mês antes do Dia de São Cosme e São Damião, o movimento na loja já começa a aumentar. As vendas duplicam, as filas no caixa ficam enormes e, por dia, vendemos mais de cem pacotes de saquinhos. Isso acontece porque a distribuição de doces é uma tradição que envolve todas das classes sociais do Rio de Janeiro: em maior ou menor quantidade, todo mundo compra, do morador da Zona Sul ao da Baixada afirma.

Mais empregos

Além das vendas, São Cosme e São Damião beneficiam diretamente o mercado de trabalho carioca: com o aumento no número de clientes, muitas lojas de doces se veem obrigadas a contratar mais funcionários para dar conta da demanda.

Além dos promotores enviados às lojas pelas próprias fábricas de balas, nós ainda contratamos em média mais dez pessoas para ajudar no atendimento e dar conta da quantidade de clientes comenta Ancelmo Henrique, gerente da loja Big 2000, no Mercadão de Madureira. Enquanto alguns trabalham sob contrato temporário, outros acabam efetivados e permanecem empregados como nossos vendedores. É algo muito comum nessa época.