Metrô transformará Centro do Rio

JB Online

RIOO DE JANEIRO - O Metrô Rio vai se responsabilizar por uma tremenda transformação no Centro do Rio. A reurbanização do entorno da estação Cidade Nova até a Praça da Bandeira, onde a empresa está construindo o viaduto de 1,3 quilômetro por onde passará a linha 1A, vai exigir a demolição de todos os prédios do percurso, inclusive o do INSS e o do Corpo de Bombeiros (Defesa Civil Estadual), além de dois abrigos públicos municipais. Só o Centro de Controle Urbano da Prefeitura será parcialmente preservado.

A Escola Nacional de Circo deverá ser transferida para a desativada e tombada estação ferroviária Barão de Mauá (Leopoldina), enquanto as estruturas do INSS, dos bombeiros também deverão ser transferidos para outros locais.

Prevista para começar a operar no ano que vem, a Linha 1A do metrô pode começar operar ainda em 2009, com sua abertura antecipada em três meses. A intenção, de acordo com o diretor de relações institucionais do Metrô Rio, Joubert Flores, é de iniciá-la, pela futura estação Cidade Nova, junto com a estação General Osório, cuja inauguração está marcada para o dia 17 de dezembro.

Ligando as estações Pavuna e Botafogo sem necessidade de baldeação no Estácio, a Linha 1A terá o objetivo de reduzir em 13 minutos a viagem entre o Centro e a Pavuna, estação final da Linha 2 e destino de 85% dos passageiros que utilizam a Linha 2 no horário de volta do trabalho (tarde de noite), segundo estatística do Metrô Rio.

O diretor de relações institucionais da companhia também prevê o aumento na capacidade de passageiros e a diminuição do tempo de espera pelos trens.

Segundo Joubert Flores, atualmente, o tempo de espera pelas composições no trecho entre as estações Central e Botafogo cairá dos quatro minutos atuais, em média, para dois minutos a metade nos horários de pico.

De acordo com ele, a maior oferta de trens também aumentará a capacidade de atendimento, possibilitando o transporte de mais 200 mil passageiros por dia atualmente, são cerca de 500 mil, somando as linhas 1 (Saens Peña-Cantagalo) e 2 (Pavuna-Estácio).

Como os trens da linha 1A passarão por Central e Botafogo, dividindo os trilhos com as composições da linha 1, eles poderão receber uma pintura diferente ou ter o número e o itinerário discernidos por um letreiro eletrônico. Há a possibilidade de esses letreiros serem instalados tanto nos trens quanto nas estações.

Outra solução é a chegada de novos carros climatizados para tender a demanda da linha 2.