Implantação de aterro sanitário começa nesta terça-feira

JB Online

RIO DE JANEIRO - O Governo do Estado dá mais um passo significativo para a erradicação definitiva dos lixões no Rio. A secretária estadual do Ambiente, Marilene Ramos, assina nesta terça-feira (11/08), às 14h, na Prefeitura de Itaocara, protocolo com prefeitos do Noroeste Fluminense para a implantação de aterro sanitário consorciado.

Pela manhã, Marilene Ramos estará na cidade do Carmo, na Região Serrana, para formalizar a inclusão da cidade de Sumidouro no consórcio de municípios que utilizará o aterro sanitário de Teresópolis, inaugurado no mês passado pelo governador Sérgio Cabral.

A implantação do aterro sanitário consorciado no Noroeste Fluminense, que beneficiará 110 mil pessoas, integra o Pacto pelo Saneamento, cuja meta é erradicar os lixões em todo o estado no prazo de 10 anos.

De acordo com a secretária, as obras para a construção do aterro estão previstas para começar no início de 2010 e ficará sediado em São Fidélis.

- Este empreendimento será construído nos mesmos moldes do aterro sanitário de Teresópolis, com, por exemplo, a canalização do chorume produzido pelo lixo até uma estação de tratamento além de tratar o gás produzido pelos detritos. Além disso, será enviado para aprovação das Câmaras dos Vereadores de cada município envolvido, o protocolo da Lei dos Consórcios. O objetivo é consolidar os consórcios de forma que, os próximos prefeitos não desfaçam essa importante parceria

A implantação do aterro sanitário consorciado é uma iniciativa do Governo do Estado, sob a coordenação da Secretaria Estadual do Ambiente, através do seu Programa Estadual de Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos (PEGIRS).

Aterro sanitário de Teresópolis

O governador Sérgio Cabral e a secretária estadual do Ambiente, Marilene Ramos, inauguraram no mês passado, o primeiro aterro sanitário consorciado do estado, em Teresópolis, na Região Serrana do Rio, com capacidade para receber cerca de 30 toneladas de lixo por dia produzido por Teresópolis e mais 10 toneladas por dia de resíduos produzidos pelas cidades de São José do Vale do Rio Preto, Sumidouro e Carmo.

O aterro para o qual foram investidos R$ 5 milhões do Fecam foi instalado no terreno onde funcionou por muitos anos o antigo vazadouro de lixo da cidade, posteriormente transformado em aterro controlado e agora, com as obras, passará a operar como o primeiro aterro sanitário consorciado do estado.