Violência: Homicídios dolosos dobram na Zona Sul

Jornal do Brasil

RIO DE JANEIRO - Nos primeiros cinco meses deste ano, a Zona Sul sofreu crescimento percentual na maioria dos crimes. A maior alta foi no caso dos homicídios dolosos (quando há intenção de matar), que mais do que dobraram.

De acordo com as estatísticas divulgadas na última sexta-feira pelo Instituto de Segurança Pública (ISP), no ano passado, de janeiro a maio, foram 14 assassinatos na Zona Sul. Neste ano, já aconteceram 29.

O maior aumento ocorreu na 19ª Aisp (Copacabana e Leme), que teve seis homicídios nos cinco primeiros meses de 2009, contra apenas um no mesmo período de 2008.

Os roubos a residências na região cresceram 71%. Na 2ª AISP, os registros saltaram de 10, de janeiro a maio de 2008, para 25 casos nos primeiros cinco meses de 2009 duas vezes e meio mais casos.

Outro crime em alta foi o de roubos a estabelecimentos comerciais, que subiu 44,6% em relação a 2008, no período. Também cresceram os roubos de veículos (12,4%), os assaltos a pedestres (6,7%) e os roubos dentro de coletivos (5,7%).

Sequestros-relâmpago

Outra ocorrência que subiu ligeiramente na Zona Sul, de janeiro a maio, foi o sequestro-relâmpago (extorsão com momentânea privação de liberdade) que passou de três casos, em 2008, para cinco, neste ano.

No final da noite de sábado, uma funcionária da Pontifícia Universidade Católica (PUC) foi vítima de uma tentativa deste tipo de crime.

Ela dirigia um automóvel Honda Fit, quando foi abordada por dois homens armados na Avenida Bartolomeu Mitre, no Leblon. Duas crianças estavam no carro, uma das quais foi jogada fora do veículo.

Os bandidos assumiram a direção do carro, mas a PM foi chamada e iniciou uma perseguição que durou 10 minutos. No cruzamento com a Rua Mário Ribeiro, o Honda foi interceptado pelos policiais, que libertaram os reféns. Os ladrões conseguiram fugir.