Especial Leblon: Polos de emprego para comunidades carentes

Jornal do Brasil

RIO DE JANEIRO - Serviços que vão além do lazer, destinados à classe média, e oportunidades de emprego para trabalhadores das comunidades mais carentes que circundam o Leblon são duas facetas pouco lembradas, mas evidentes quando se esmiúça o papel dos clubes do bairro.

Para o vice-presidente do Clube de Regatas do Flamengo, Luiz Paulo Segond, é inegável a participação das associações na contribuição para a melhoria de vida das classes menos favorecidas da vizinhança.

Os clubes do Leblon ocupam um importante papel social no bairro, servindo como polos de empregos para os moradores mais humildes e possibilitando aos jovens adquirirem melhores condições de vida, por meio dos projetos esportivos que desenvolvem.

Morador do conjunto habitacional Cruzada São Sebastião, Eduardo Borges é um exemplo do que diz o diretor do Flamengo. Borges começou a trabalhar aos 8 anos, recolhendo bolas de tênis durante as aulas e partidas do Paissandu Atlético Clube. Hoje, aos 43, o ex-boleiro é diretor da Escola de Tênis Topspin, no próprio Paissandu.

Aqui na escola começamos a trabalhar com os jovens aos 14 anos, uma idade delicada. Temos três objetivos principais: impedir que os jovens de áreas carentes fiquem nas ruas, auxiliar a formação educacional desses jovens e oferecer a eles um objetivo de vida. Todos os nossos boleiros são de áreas como a Rocinha e a Cruzada São Sebastião. Para entrarem na Topspin, eles têm que estar matriculados em escolas.

Além disso, o diretor ressalta a importância cultural dos clubes para os jovens.

Num ambiente como o Paissandu, os jovens dessas comunidades têm contato com pessoas mais esclarecidas, que se expressam por um português mais correto. Através da convivência diária, eles sempre acabam absorvendo algo.

João Fontes, presidente da Associação de Amigos e Moradores do Leblon e ex-praticante de remo no Clube de Regatas do Flamengo, concorda com Eduardo Borges e lembra outros serviços que não se relacionam com o lazer.

Ainda que muitos desses clubes sejam direcionados para pessoas acima da classe média, sua importância para o bairro do Leblon é inegável já que muitos deles oferecem serviços de utilidade pública, como cursos e creches, além de trazerem a prática esportiva para perto dos jovens do bairro, sejam eles sócios ou não.