Romário paga pensão atrasada é liberado pela justiça

Camilla Lopes, JB Online

RIO - O ex-jogador de futebol Romário foi liberado por volta de 16h40 da tarde desta quarta-feira, após comprovar que pagou a pensão de seus dois filhos, do primeiro casamento com a modelo Mônica Santoro. Romário foi preso no final da tarde desta terça-feira e passou quase 24h na 16ªDP, na Barra da Tijuca. Ele saiu da delegacia direto para o Fórum da Barra da Tijuca para uma audiência na 2º vara cível, com o Juiz Antonio Aurélio Abi-Ramia, a ex-mulher, o advogado dela Sérgio Fisher e o advogado de Romário, Norval Valério. Em momento algum nem Romário, nem Mônica Santoro falaram com a imprensa.

No entanto, por telefone, o advogado de Mônica afirmou que Romário quitou o que devia de pensão alimentícia para os filhos Romarinho, 15 anos, e Moniquinha, 19. Sérgio Fisher não quis especificar o valor exato pago pelo ex-jogador, mas o ofício de fundamento de prisão atesta que Romário devia R$ 89.641,44. Sobre o fato de Romarinho estudar gratuitamente na escola do clube Vasco da Gama por ser atleta do clube, o advogado afirmou que não o fato não estaria em questão.

- Nesse momento processual isso não se discute. Essa pensão já foi estipulada há muito tempo o valor mensal da pensão continua o mesmo.

Ainda segundo o advogado da ex-mulher do atleta, Romário só foi preso por não ter nenhum bem que estivesse em seu nome e pudesse ser confiscado.

Por estar preso, o ex-jogador não pode comparecer na noite de terça-feira ao evento de apresentação da camisa do América Futebol Clube que irá estrear amanhã na Série B do campeonato carioca.

Romário, inclusive, foi o principal articulador para que a Unimed patrocinasse o tradicional time da Tijuca, com R$ 150 mil por mês.

Não é a primeira vez que ex-defensor da camisa da seleção tem problemas por não pagar pensão alimentícia aos dois filhos do primeiro casamento. Em agosto de 2004, o então atacante do Fluminense passou 5 horas detido na mesma 16ºDP por estar devendo R$ 140 mil à Mônica Santoro. Dessa vez, Romário não conseguiu ser solto e dormiu na carceragem da delegacia com mais dois outros homens presos pelo não pagamento de pensão alimentícia.