Parentes de vítimas do voo consolidam associação

Carlos Braga, Jornal do Brasil

RIO - Apresentada nesta quarta, a Associação das Famílias das Vítimas do Voo 447 da Air France, que tem 17 integrantes, divulgou que a sua primeira medida será entrar com uma ação no Ministério Público.

Vamos entrar com essa ação na semana que vem para que as investigações sejam acompanhadas contou o presidente da associação, Nelson Faria Marinho. Queremos saber o que aconteceu.

O diretor-executivo da associação, Marteen van Sluys, criticou o descaso com que diz estar sendo tratado pelas autoridades brasileiras. Marteen esperava receber oferta de ajuda do governo para obter os documentos e acelerar procedimentos, como a obtenção da certidão de óbito.

Onde está o apoio governamental? Não me lembro de ter recebido telefonemas oferecendo apoio para que conseguíssemos documentos. Não está sendo fácil lamentou Van Sluys.

O tratamento que a Air France tem dispensado aos parentes das vítimas do voo também recebeu críticas do presidente da associação. Ele contou que entrou em contato com a companhia aérea francesa para pedir auxílio psicológico para sua mulher, mãe de um passageiro que estava na aeronave.

De acordo com Nelson Marinho, a Air France concordou com o pedido, mas limitou o atendimento da psicóloga a 10 dez sessões.

Classifico a relação que a Air France está mantendo com os parentes das vítimas do voo como regular analisou Marinho. Falta muito para que eles cumpram suas obrigações.

Quanto às indenizações, Van Sluys disse que algumas famílias já receberam um adiantamento do seguro; cerca de R$ 48 mil, para atender às necessidades mais imediatas. Mas esse valor ainda não teria sido pago a todas as famílias.

Quanto tempo esse dinheiro pode sustentar uma família, caso o provedor tenha morrido no acidente? perguntou Van Sluys.

A Air France, por meio da assessoria, disse que os pedidos dos parentes das vítimas são atendidos por uma seguradora que trabalha para a companhia aérea. No caso de ajuda psicológica, o parente é encaminhado para um psicólogo particular, que faz uma avaliação do caso. Segundo a assessoria, a Air France não delibera nem limita o atendimento aos pedidos.