PMs de 2 batalhões estão entre os 30 denunciados por matar inocentes

JB Online

DA REDAÇÃO - O Ministério Público Estadual informou que, dos 30 policiais militares denunciados nessa segunda pela morte de pessoas supostamente inocentes em operações entre os anos de 2007 e 2008, 23 deles pertencem ao 16º Batalhão (Olaria), que é responsável pelo policiamento do Complexo de Favelas do Alemão, e 7 ao 9º Batalhão (Rocha Miranda).

De acordo com a promotoria, foram 13 denúncias de homicídios, sendo 9 na favela Furquim Mendes (Jardim América), 3 no Morro Jorge Turco (Rocha Miranda) e o restante nas comunidades do Dique (Jardim América), Juramento (Vicente de Carvalho), Fé (Penha), Honório Gurgel, Beira-Rio, Cidade Alta (Cordovil) e Vigário Geral. Das vítimas, apenas duas tinham passagem pela polícia

A maior execução ocorreu em 25 de novembro de 2007 na Favela Furquim Mendes, onde foram mortos Alexandre Nunes Coragem (24 anos), Michel da Silva Lima (23), Daniel Santos da Silva (23), Elton da Silva Almeida (23), Alexandre Sanches Santos (26) e ferido, também, Vítor Silveira José (20), que sobreviveu

As mortes foram registradas nas delegacias pelos policiais militares como "autos de resistência" (quando ocorrem durante confrontos com a polícia). De acordo com as investigações, as provas colhidas não deixam dúvidas de que as vítimas foram executadas de forma sumária.

"Isso é atividade típica de grupo de extermínio, evidenciada pela prova técnica, que afastou a versão dos policiais de que houve confronto, de que a hipótese é de auto de resistência e evidencia a execução sumária das vítimas", concluiu o Promotor de Justiça Alexandre Themístocles, da 6ª Promotoria de Investigação Penal da 1ª Central de Inquéritos.