Chimpanzé Cássia vivia momento conjugal conturbado

Marcelo Migliaccio, Jornal do Brasil

RIO DE JANEIRO - Claro que ninguém aprova o comportamento de Cássia. A chimpanzé, então com 25 anos, não era mais nenhuma criança para sair atirando pedra nos visitantes do Jardim Zoológico do Rio. Mas, naquele mês de setembro de 2006, a temperamental macaca passava por um momento conturbado.

Depois de muitos anos de vida em comum com Pipo, um macho hoje com 33 primaveras no lombo, Cássia havia sido separada dele, com quem vivia às turras e sem um mínimo de romantismo que permitisse aos biólogos sonharem com um filhote da dupla.

Aqui os bichos são meio borracha fraca brinca o veterinário Alex Spadetti. O comportamento sexual deles é baseado na observação dos mais velhos, na imitação, e os animais de zoológico não aprenderam a copular.

Numa tentativa de mudar as coisas em 2006, Cássia foi transferida para o recinto de outro chimpanzé, Paulinho, hoje com 22 anos.

Como ele é mais novo, achamos que poderia pegá-la conta o veterinário.

Ledo engano. Além de não fazer de Cássia uma fêmea realizada, Paulinho, muito mais agitado que Pipo, acabou estressando a nova companheira. Foi nesse turbilhão emocional, irritada por uma turba que gritava diante dela naquele feriado, que Cássia pegou uma pedra e atirou na visitante desavisada.

Tempos depois, Cássia voltou a dividir espaço com Pipo, e Paulinho recebeu de volta a fêmea Rina, cuja idade o zoo não sabe precisar porque ela foi doada pelo circo Beto Carreiro. Seguramente, porém, Rina é a mais velha entre os chimpanzés dali, o que, no entanto, não garantiu ainda a visita do animal mais esperado por todos na Quinta da Boa Vista: a cegonha.