Tiroteio deixa dois mortos no Vidigal

JB Online

RIO - O morro do Vidigal amanheceu nesta sexta-feira debaixo de uma intensa troca de tiros que fechou a Avenida Niemeyer durante quase três horas, segundo moradores, e terminou com dois mortos um policial militar e um homem apontado como traficante pela PM , além de ferir uma mulher sem relação com o tráfico, segundo a polícia.

O tiroteio aconteceu durante uma operação conjunta do 23ºBPM (Leblon) e do Batalhão de Operações Especiais (Bope) para localizar pontos de venda de drogas e depósitos de armas.

A ação começou ainda de madrugada, com os policiais militares sendo recebidos a tiros, segundo o tenente-coronel Henrique de Lima Castro, comandante do 23ºBPM.

O trânsito na Avenida Niemeyer foi interditado às 6h10 e liberado 45 minutos, às 6h45, segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (Cet-Rio).

Entretanto, moradores do Vidigal garantiram que a via - principal ligação entre Leblon e São Conrado, além do Túnel Zuzu Angel - fechou logo após as 4h, momento em que a polícia chegou ao morro.

Encurralado por traficantes na localidade conhecida como Largo do Santinho, o soldado Elias Silva Júnior, do 23ºBPM, foi baleado pelos criminosos e ainda chegou a ser levado para o Hospital Municipal Miguel Couto, no Leblon, mas não resistiu aos ferimentos.

Moradora do Vidigal, Glória Maria dos Santos foi baleada na perna, em frente a uma farmácia e atendimento no mesmo hospital.

O suposto traficante morto durante a troca de tiros foi identificado apenas pelo apelido de Zoião, segundo a polícia. Ele estava com um revólver calibre 38 e 11 carregadores de fuzil 762 com balas traçantes, de acordo com a PM.

Os tiroteios forçaram o fechamento de duas creches e duas escolas municipais não funcionaram, deixando cerca de 1.300 alunos sem aulas, de acordo com a Secretaria Municipal de Educação.

Vans que sobem o morro pela Avenida Presidente João Goulart também pararam de circular e os moradores que saíam para trabalhar precisaram descer a pé, se arriscando entre o fogo cruzado.

Durante a operação, a PM apreendeu equipamento de transmissão de TV a cabo clandestina, além de roupas e toucas pretas, peças de motos e de automóveis e coronhas de revólveres e pistolas com com as iniciais A.D.A. da facção criminosa Amigos dos Amigos gravadas.

Segundo o comandante do 23ºBPM, a operação desta sexta-feira ainda não seria o início de uma ocupação policial permanente no morro do Vidigal.

Foi um resgate da população daqui, e combate ao tráfico de drogas afirmou Lima Castro.