Rio está cada vez mais perto de sediar olimpíadas

JB Online

RIO - A exibição da campanha do Rio de Janeiro aos Jogos Olímpicos de 2016 contagiou os eleitores do Comitê Olímpico Internacional (COI), que a interromperam em dois momentos com palmas.

As demais cidades finalistas (Chicago, Tóquio e Madri) não receberam a mesma empolgação da platéia. Foram aplaudidas apenas timidamente no final. Ao som de Cidade Maravilhosa , os membros do COI fizeram um passeio pelo Rio durante os 45 minutos de apresentação no Museu Olímpico. Além de números e detalhes técnicos do projeto, imagens em fotos e vídeos destacaram a beleza das paisagens e a irreverência carioca. O governador Sérgio Cabral e o prefeito Eduardo Paes saíram confiantes e emocionados.

- A ideia era eu cantar um pequeno trecho de Cidade Maravilhosa

antes de começar a falar, aproveitando o vídeo exibido antes. Mas a emoção não deixou. Só consegui traduzir o significado da letra. O que a gente fez o tempo todo foi isso: tentar traduzir a paixão pela nossa cidade ao mesmo tempo que defendíamos as questões técnicas _ disse Paes.

Um dos grandes momentos foi quando Cabral anunciou que seria exibida

uma mensagem do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. No

vídeo, Lula ressalta o poder transformador dos Jogos Olímpicos para a população de todo o continente sulamericano e reforça o compromisso dos três níveis de governo - federal, estadual e municipal - com a realização das Olimpíadas.

- A gravação do presidente Lula gerou um impacto extraordinário. Os

membros do COI, antes de cada pergunta, elogiavam o nosso projeto.

Fiquei realmente impressionado com o nível de credibilidade da nossa

candidatura - disse o governador.

A delegação do Rio foi a terceira a se apresentar, depois de Chicago e

Tóquio e antes de Madri. Além de 45 minutos de exposição, houve outros

45 minutos para perguntas e respostas. O presidente do Comitê Olímpico

Brasileiro (COB), Carlos Arthur Nuzman, falou da importância dos Jogos

para inspirar os jovens não só no Brasil, mas em toda a América do

Sul .

A comitiva carioca foi sabatinada com questões sobre meio ambiente,

infraestrutura e o fato de o Brasil já estar recebendo a Copa do Mundo

dois anos antes. Não foram feitas perguntas relacionadas à segurança.

Já Madri teve que responder sobre atentados terroristas.