Guerra na Maré prossegue com ônibus incendiado

JB Online

RIO - Depois da guerra iniciada há cerca de duas semanas entre traficantes rivais com direito a denúncias de aluguel do veículo blindado do 22º BPM (Maré) a favela Vila dos Pinheiros, no Complexo da Maré, continua em ebulição, com um ônibus chegando a ser incendiado nesta quarta-feira por bandidos que dominam a comunidade, segundo a delegada Valéria Castro, da 21ª DP (Bonsucesso). De acordo com as investigações, o atentado foi provocado por três bandidos armados. Ninguém ficou ferido.

Segundo os depoimentos do motorista José Carlos da Silva, 41 anos, e da cobradora Marilza Reis, 40, o ônibus da Viação Breda, linha 484 (Olaria-Copacabana), estava estacionado no ponto final da Vila do João, próximo à Avenida Brasil, quando um bandido rendeu a fiscal da empresa e obrigou o motorista e a cobradora a irem até a Vila dos Pinheiros. No caminho, o veículo parou para que mais dois bandidos todos armados também embarcassem. Não havia passageiros naquele momento.

O bando começou então a derramar combustível no chão e bancos do ônibus. Quando chegaram na Vila dos Pinheiros, os criminosos atearam fogo no veículo e fugiram para o interior da favela. O motorista e a cobradora conseguiram escapar sem ferimentos.

As chamas se alastraram e o fogo atingiu parcialmente o teto da varanda de um apartamento, um consultário dentário, uma padaria, uma loja de conserto de lavadoras e a fiação elétrica da região. Parte da comunidade ficou sem luz.

A polícia, porém, ainda desconhece os motivos do vandalismo. O 22º BPM (Maré) já mantinha policiamento reforçado no entorno da comunidade, mas novas viaturas foram redirecionadas para evitar transtornos.

Morto na calçada do bar

Um outro crime, com características de vingança, chocou moradores de Engenho de Dentro na noite de terça-feira. Um homem foi morto na calçada do bar Manoel & Juaquim matriz da rede de botequins do Rio que fica na esquina das ruas Pernambuco e Doutor Bulhões.

Ailton Becaro Júnior, 33 anos, estava em uma mesa na calçada quando foi atingido por pelo menos quatro tiros disparados por ocupantes de um carro não identificado. A vítima, que seria funcionária de uma empresa de telefonia, morreu na hora. O assassino chamou a vítima pelo nome, fez os disparos e fugiu sem deixar pistas.

No momento em que o crime aconteceu, o bar estava cheio e houve pânico e correria. Policiais da 26ª DP (Todos os Santos) e do 3º BPM (Maré) não conseguiram encontrar testemunhas capazes de dar pistas sobre os criminosos.

Centro e Zona Sul

No Catete, três homens acabaram presos depois de tentarem assaltar uma casa lotérica na Rua Artur Bernardes. O bando fugiu em direção ao Túnel Santa Bárbara, mas acabaram sendo perseguidos e presos por policiais do 2º BPM (Botafogo). Com eles havia uma pistola e uma granada. Os presos seriam os mesmos que, na semana passada, assaltaram uma joalheria e um casa lotérica em Copacabana.

Já no Leblon, dois estelionatários foram presos num hotel de luxo por policiais da Delegacia Especial de Apoio ao Turismo. Anderson Fernandes Machado, 42 anos, e Severiano Fernandes Neto, 60, ambos de Brasília, atuam em diversos estados. Com eles havia dezenas de cartões de crédito falsificados, espelhos de identidades, documentos de veículos, declarações de imposto de renda, além de farto material utilizado em falsificações.