Lula: plateia entra em coro no clima de campanha

Jornal do Brasil

RIO - A presença de tantos ministros, secretários de estado e do município deu à festa um inevitável tom de campanha política com direito a gritos de já ganhou . A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, ouviu seu nome sendo gritado e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou a brincar com o público pedindo para o convidarem para o churrasco da vitória .

Em Manguinhos, enquanto elogiava o governador Sérgio Cabral dizendo que ninguém tem uma cabeça tão leve para administrar o estado como esse moço , Lula brincou dizendo que o único problema é que Cabral pede dinheiro pra caramba . E emendou dizendo que só o receberia novamente em Brasília em dezembro do ano que vem, quando entregará o mandato para outra pessoa . Foi a deixa para o público gritar: Fica! . E para Lula incitar:

Depois vão dizer que Lula não falou em campanha, vocês que se meteram a gritar o nome disse o presidente, enquanto os gritos de Dilma se sobrepunham ao fica . Espero que a profecia que diz que a voz do povo é a voz de Deus esteja correta neste momento.

Já no Alemão, Lula, ao fim do discurso, declarou novamente que não podia falar de política, mas todo mundo sabe de quem ele está falando e quem vai vencer as próximas eleições . Os gritos de Dilma recomeçaram. O presidente presentou a ministra-chefe com uma rosa branca e concluiu:

Não posso falar, mas todo mundo já sabe. Quando chegar a hora certa, vocês têm de ver quem vai prometer o céu e quem fica junto com vocês comentou. Eu só espero que vocês tenham a coragem de me convidar para comer um churrasco no dia da vitória.

Na troca de elogios, o vice-governador Luiz Fernando Pezão, que acumula a pasta de secretário de Obras, foi por diversas vezes elogiado por Lula, Dilma e Cabral como o grande tocador de obras do estado. O governador chegou a chamá-lo de pai do PAC, em referência a Lula, que refere-se à Dilma como mãe do PAC.

Estiveram presentes os ministros das Cidades, Márcio Fortes; do Esporte, Orlando Silva; da Saúde, José Gomes Temporão, além do prefeito Eduardo Paes, do governador Sérgio Cabral, do presidente da Assembléia Legislativa do Rio (Alerj), Jorge Picciani, e diversos secretários estaduais e municipais, vereadores, deputados estaduais e federais, além de presidentes de associações de moradores da região.