Herói do metrô leva advertência

Marcelo Migliaccio, JB Online

RIO - O ímpeto de socorrer a estagiária da Caixa Econômica Federal baleada por um assaltante a cerca de 100 metros da entrada da estação do metrô do Estácio (Zona Norte), no último dia 29 de março, custou ao agente de segurança Leonardo Francisco Dyonísio uma advertência e, segundo o Sindicato dos Metroviários, a transferência compulsória para outra estação.

Dyonísio estava de serviço naquela noite, quando veio em sua direção a mãe da estagiária da CEF Carla Leal dos Reis, de 25 anos, que acabara de levar um tiro na cabeça disparado por um assaltante do lado de fora da estação do Estácio.

Na hora, eu comuniquei à sala de controle pelo rádio e fui tentar socorrer a jovem, que estava perdendo muito sangue conta Dyonísio, 28 anos, há três no metrô.

Levada para o hospital Souza Aguiar, a jovem acabou morrendo, e Leonardo foi surpreendido três dias depois com a transferência.

Ele não estava no ranking para ser transferido naquele momento - diz o presidente do Sindicato dos Metroviários, Rubens Foligno. Acabou sendo uma punição, porque trabalhar no Estácio facilitava sua ida e volta para casa, no Rocha (Zona Norte). Temos informações também que ele estaria numa lista informal de cinco funcionários a serem demitidos em breve.

Leonardo, que atualmente está afastado do trabalho por um problema no ombro, diz que não se arrepende de ter tentado salvar a vida da jovem.

Preferi correr o risco de perder o emprego para salvar uma vida do que responder a um processo por omissão de socorro depois.

Segundo o sindicalista Antonio Luiz, nenhum segurança do metrô tem permissão para sair da estação, e o supervisor de plantão no dia do crime teria negado o empréstimo da caixa de primeiros socorros e de uma maca.

O vereador Roberto Monteiro (PCdoB), que ofereceu uma moção de congratulação na Câmara Municipal para Dyonísio, critica a direção do metrô.

É lamentável, uma falta de bom senso, punir um trabalhador que foi solidário.

Em março de 2007, Dyonísio recebeu uma carta da direção do metrô com elogios por ter achado e devolvido ao dono uma pasta com cerca de R$ 7 mil perdida na estação Saens Peña. Depois, deu até palestra em colégio mostrando seu bom exemplo às crianças.

Metrô nega retaliação

A direção do metrô nega que a transferência tenha sido punição, mas confirma que ele foi advertido por por não ter cumprido os procedimentos de segurança estabelecidos para ocorrências desta natureza .