Mãe de jovem com doença é internada com sintomas

Renata Ramos, Jornal do Brasil

RIO - Mais uma suspeita de ter contraído Influenza A no Rio está sob investigação das autoridades. A mãe do segundo rapaz cujo caso foi confirmado apresentou os sintomas da doença e está isolada no Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCF), no Fundão. Com a confirmação de seis casos no Brasil (dois em São Paulo, dois no Rio, um em Minas Gerais e um em Santa Catarina) a fiscalização nos aeroportos foi intensificada. Ao invés de 50, agora são 70 servidores entre funcionários da Defesa Civil, Secretarias estadual e municipal de Saúde, além da Anvisa atuando na triagem dos passageiros de todos os voos internacionais, e não somente daqueles vindos de países afetados.

O objetivo é orientar com mais intensidade os passageiros que chegam de voos internacionais explicou o coordenador-técnico da Anvisa, Marcelo Felga. É importante que eles preencham o formulário e respondam se perceberam alguns dos sintomas, como febre e tosse nos últimos dias.

Os agentes entregaram um formulário para que os passageiros indicassem se haviam sentido algum sintoma da gripe. Caso alguém manifestasse o sintoma, a pessoa era orientada a colocar a máscara e encaminhada para uma investigação mais rigorosa. Foi o que aconteceu com uma passageira que chegou de Madri e apresentou febre e tosse quando desembarcou no país, e teve de ser examinada. A maior parte dos passageiros, porém, não chegava ao país usando máscaras.

Não vimos quase ninguém de máscara contou Adriana Lahitte, que veio de Berlim por um voo de Madri. Uma menina colocou quando percebeu que um passageiro tossia muito.

Alguns passageiros elogiaram a intensificação da fiscalização, mas outros se sentiram incomodados com a demora no desembarque.

Passei por vários aeroportos da Europa e vi poucas pessoas usando máscaras criticou Fabrício Cabral, que também chegava no voo de Madri. Acho que o formulário que pede seus dados e pergunta sobre os sintomas não adianta muito e a forma como fizeram acabou formando mais filas.

Caso será confirmado domingo

O chefe do Serviço de Epidemiologia e Avaliação do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, Roberto Fiszman, disse que a nova paciente que está internada na unidade num quarto isolado não foge dos padrões já registrados até o momento no Rio. Os exames que confirmarão ou não a infecção deverão ficar prontos domingo.

Não há muita novidade neste caso, pois trata-se de uma paciente do mesmo grupo, um contágio intradomiciliar amenizou. Desse ponto de vista, o contágio é até esperado. Não há uma grande mudança de padrão. Os outros contatos continuam sendo monitorados.

A primeira vítima da doença já não apresenta os sintomas, mas permanecerá isolada por cerca de 10 dias para evitar contágio. A segunda vítima ainda está com tosse e febre, mas seu estado de saúde vem melhorando gradativamente. A mãe do rapaz está com os mesmos sintomas.

Os dois são amigos e acreditam que o contágio aconteceu ao dividirem o mesmo copo numa boate domingo. O segundo paciente só começou a apresentar os sintomas na quarta-feira. O diretor do hospital, Alexandre Cardoso, acha pouco provável que o contágio tenha se disseminado e ressaltou que amigos e parentes estão sendo monitorados.