Gramacho trata mais chorume

Jornal do Brasil

RIO - A Comlurb inaugura terça-feira a primeira parte das novas instalações da Estação de Tratamento de Efluentes Líquidos do Aterro Metropolitano de Jardim Gramacho, em Duque de Caxias. A instalação terá capacidade de tratar, diariamente, 960m³ de chorume um líquido escuro e com alto teor de matéria orgânica, formado pela passagem da água da chuva no lixo depositado nos aterros.

Após o término das obras, a Estação poderá absorver um total de 1.920m³ de chorume por dia, tornando-se uma das maiores unidades de tratamento desse tipo de efluente do mundo.

A iniciativa é parte do processo de recuperação e manutenção, iniciado em 1997, do principal ponto de destinação de resíduos sólidos do Rio. A Comlurb trata os efluentes de Gramacho desde 1992, a uma capacidade de 380 m³ por dia.

O aterro entrou em funcionamento em 1978, com uma área de 1.300.000 m², e recebe dos municípios do Rio de Janeiro, Duque de Caxias, São João de Meriti, Queimados e Nilópolis, a média diária de 8.800 toneladas de lixo, que geram um volume de chorume de aproximadamente 2.000 m³/dia.

A nova estação de tratamento de chorume contribuirá para o aumento da vida útil do Aterro, uma vez que a redução da quantidade de líquido dentro do maciço de lixo melhora suas condições geotécnicas e operacionais.

De acordo com os estudos geotécnicos mais recentes, o Aterro de Jardim Gramacho tem sobrevida estimada até 2012, podendo ser estendida em função de estudos e sondagens em andamento.

Nova metodologia

A ampliação só é possível graças à nova metodologia operacional implantada de disposição do lixo, drenagem de chorume e captação de gás, que resultam na melhoria das condições geotécnicas do maciço de lixo.

Esta sobrevida garante maior tranqüilidade para a implantação das alternativas para disposição final dos resíduos do município, que conta com duas áreas em estudo atualmente.