Estado entrega chaves de 24 casas

Jornal do Brasil

RIO - O governador Sérgio Cabral entregou segunda-feira 24 moradias na comunidade Dona Marta, localizada no bairro de Botafogo (Zona Sul), todas próximas à Estação 3 do plano inclinado da favela.

A iniciativa privilegia famílias compostas por pessoas com necessidades especiais ou que antes moravam em residências de madeira ou em áreas de risco na comunidade. Os apartamentos que foram entregues têm adaptações instaladas especialmente para suprir essas carências. Com isso, o governo estadual afirma ter por objetivo aumentar a inclusão social dos moradores.

É um marco no paradigma da nossa cidade afirmou o governador Sérgio Cabral Temos um desafio muito grande. Esta combinação de enfrentar, ao mesmo tempo, os dois tipos de violência que estas comunidades foram vítimas: a violência patrocinada pelo crime organizado e a violência da ausência de investimentos no poder público.

Segundo o governador, outras casas vão ser construídas ou devem ganhar melhorias a fim de incrementar as condições de vida da população do Santa Marta. O anúncio se seguiu da promessa de que todas as residências de madeira serão convertidas em estruturas de alvenaria.

R$ 38 milhões

O plano habitacional, que consumiu cinco meses em obras e financiamentos da ordem de R$ 38 milhões, faz parte da urbanização promovida pelo estado. As unidades cujas chaves foram entregues segunda-feira estão divididas em dois prédios construídos para beneficiar moradores de áreas de risco e famílias com pessoas com necessidades especiais, devido à localização ao lado da Estação 3 do Plano Inclinado.

O outro prédio possui 13 apartamentos e chama a atenção pela sua cor amarela. A ampliação do número de casas, de acordo com Ícaro Moreno, presidente da Empresa de Obras Públicas (Emop), deverá acontecer em breve.

Estamos iniciando o processo de licitação para a segunda fase. Serão 64 novas unidades, mais 265 melhorias habitacionais. Na terceira fase, não teremos mais casas de madeiras nem moradias mistas, de madeira e alvenaria. Serão mais 133 casas e mais 252 melhorias habitacionais afirmou Ícaro Moreno.

Apesar das inovações e melhorias, segundo o presidente da Associação de Moradores do Santa Marta, José Mário Hilário, a comunidade reivindica um sinal de TV a cabo, que antes era o popular gatonet e foi retirado por tratar-se de uma ilegalidade. O pedido ganhou resposta do governo.

A comunidade é um laboratório para mostrar que quando os governantes querem fazer é possível. Nós vamos resolver o problema da televisão. Estamos fazendo uma parceria para colocar aqui uma tecnologia moderna para servir de experiência também para outras comunidades informou o vice-governador e secretário de Obras, Luiz Fernando Pezão.

A Emop realizou uma série de obras de infraestrutura na comunidade, incluindo a rede de esgoto, drenagem e distribuição de água e ligações domiciliares.

Além de novas unidades habitacionais e melhorias em outras moradias, a empresa construiu o Plano Inclinado; uma creche, que depois foi adaptada para acolher o posto de policiamento comunitário; dois campos de futebol e uma creche capaz de acolher até 120 crianças.

Reconstrução

A primeira a ser contemplada com a nova residência foi a ajudante de serviços gerais Maria dos Anjos Santos, de 41 anos. No início deste ano, a casa de madeira em que ela morava desabou após uma sequência de fortes chuvas.

Estou muito emocionada. Estava morando em um quarto e agora poderei reconstruir a minha vida. Hoje é um dia de muita felicidade para mim comemorou Maria dos Anjos.