Em análise, bilhete único do Rio avança

Jornal do Brasil

RIO - A Secretaria Estadual de Transportes deu segunda-feira mais um passo para a implantação do bilhete único na região metropolitana do Estado do Rio. Contratada para um estudo de viabilidade, a empresa de consultoria Trens Engenharia, que elaborou o sistema vigente em São Paulo, apresentou os primeiros resultados.

A pesquisa avaliou um universo de 2,2 milhões de viagens diárias feitas em duas áreas: uma abrange o perímetro do ramal ferroviário entre Japeri e Central do Brasil, num total de 14 estações, e outra que vai da estação de Saracuruna, em Duque de Caxias, até a estação Parada de Lucas, num total de sete estações. Só a primeira área de referência abrange seis municípios do Grande Rio. No total, as duas áreas pesquisadas somam quase 1 milhão de passageiros.

O estudo fez um mapeamento do número de empresas de transportes que operam na região, incluindo trens e ônibus, a frota de cada uma delas, a quantidade de viagens e pessoas transportadas por dia. Só na região pesquisada, há mais de 157 linhas de ônibus e 35 empresas. O desafio é fechar uma conta para que a tarifa integrada funcione sem provocar desequilíbrio financeiro às operadoras.

Esse é um sistema altamente complexo. Temos uma enorme quantidade de linhas circulando e competindo entre si e com os trens. Temos que chegar a uma equação que não seja prejudique o setor disse o secretário de Transportes do Rio, Júlio Lopes. Os dados vão servir para a hora em que sentarmos com para negociar o cálculo das tarifas com o Bilhete Único.

A reunião entre Estado e operadoras