Prefeitura derruba dois prédios no Recreio e três estão na mira

JB Online

RIO - Depois de pôr abaixo dois prédios de quitinetes na Rua W, Recreio dos Bandeirantes (Zona Oeste), a Secretaria Especial da Ordem Pública (Seop) colocou na mira mais três construções ilegais no mesmo lugar. Foi dado um prazo de 15 dias para que os moradores possam retirar seus pertences.

O primeiro edifício a ser demolido tinha 24 quitinetes construídos em dois pavimentos. As unidades eram vendidas por cerca de R$ 70 mil. Apesar de ter recebido três intimações desde 2007, segundo a Seop, o proprietário do imóvel, Paulo César de Melo, ignorou os avisos. No total, foram dois embargos, duas intimações e três multas no valor total de R$ 1.800.

Preocupados com a ação da Seop, moradores da vizinhança do prédio demolido pediram para a equipe da secretaria conferir se o edifício em que moravam estava em situação legal. Os funcionários da prefeitura constataram que o imóvel está acima do gabarito (três andares), desrespeita as normas de construção e não tem licença. A secretaria está cadastrando os moradores para notificá-los do dia do trabalho de demolição e assim fazer a mudança.

Rodrigo Bethlem, secretário da Ordem Pública, afirmou que a prefeitura não vai tolerar aberrações urbanísticas. Bethlem acrescentou que as pessoas terão que passar a respeitar as normas para que a cidade possa ser mais organizada. Avaliou que o Recreio, pela valorização que sofreu nos últimos anos, sofreu forte especulação imobiliária.

Para quem não quer ver o sonho da casa própria virar escombro, a Seop avisa que, ao se adquirir um imóvel, é necessário verificar se o terreno, a obra e o projeto estão legalizados. Para isso, basta procurar a Secretaria Municipal de Urbanismo.

Desde primeiro de janeiro, foram demolidas 145 construções ilegais na cidade. Elas estavam localizadas, principalmente na Barra da Tijuca e em Jacarepaguá, na Zona Oeste. Mais dez imóveis, localizados nas redondezas do prédio demolido ontem, serão postos abaixo dentro de pouco tempo, assegura a Seop. Eles foram construídos em área projetada de rua.

Trabalharam na operação de ontem, 50 pessoas, entre técnicos, guardas municipais, equipes da Light e da Defesa Civil, garis e agentes da Seop.