Vacinação: campanha tem adesão maciça

Jornal do Brasil

RIO - Familiarizados com as longas filas de bancos e lotéricas, segunda-feira os idosos trocaram de lugar e se amontuaram nos postos de sáude para receber a vacina contra a gripe. Neste ano, o índice de vacinação aumentou consideravelmente no Rio. A campanha nacional para idosos está surpreendendo as expectativas.

Somente nos dois primeiros dias, vacinamos 15% mais do que no mesmo período do ano passado festejava o secretário municipal de Saúde, Hans Dohmann. E já atingimos quase 10% da nossa meta para 2009, que é imunizar 640 mil pessoas com mais de 60 anos. As pessoas estão percebendo a importância de se vacinar.

De acordo com o secretário municipal, as recentes notícias a respeito da onda de gripe suína têm gerado medo nas pessoas com mais de 60 anos e colaborado para a campanha deste ano. Uma proteção, porém, não é suficiente para a outra doença, conforme avisam os especialistas em contaminação por vírus.

É bom lembrar que uma gripe não está relacionada à outra explica Roberto Medronho , médico infectologista chefe do departamento de medicina preventiva da UFRJ. Porém, é muito importante os idosos se vacinarem. A gripe humana traz muitas complicações, como pneumonia, e provocam internações. É comum uma gripe levar o idoso ao óbito.

Em Niterói, antes mesmo de o posto de saúde abrir, senhoras e senhores já se colocavam em fila para se imunizar no posto Vital Brasil. Em outras cidades do estado, as filas também se repetiam.

A Campanha Nacional de Vacinação vai até o dia 8 de maio, e o horário de atendimento nos postos municipais do Rio é das 8h às 17h.

A meta estabelecida pelo Ministério da Saúde é de que a campanha consiga abranger 80% da população com 60 anos ou mais.

A Coordenação de Vigilância em Saúde alerta que a vacinação preventiva reduz em até 45% o número de hospitalizações por pneumonia, e em até 75% a mortalidade da população idosa, em decorrência da gripe.