Secretária comemora adesão de voluntários ao reforço

Ana Paula Verly, Jornal do Brasil

RIO - Além da realfabetização, também estão previstas para maio as aulas de reforço escolar na rede municipal. Diferentemente do outro trabalho, as aulas serão dadas por voluntários. Professores aposentados e qualquer pessoa com ensino médio completo podem se oferecer para ensinar matemática e português. Até segunda-feira, o site da Secretaria Municipal de Educação registrava 1.688 inscritos. As inscrições continuam até sexta-feira, para a seleção de mil voluntários.

Houve uma resposta muito forte a esse chamado. Inclusive pessoas de municípios vizinhos se ofereceram para trabalhar em áreas de risco comemora a secretária Cláudia Costin, que adotou uma prática internacional, comum nos Estados Unidos e na Europa .

As aulas de reforço também serão dadas por 300 alunos de licenciatura em língua portuguesa, matemática e pedagogia da PUC e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), já selecionados. Além de beneficiar os alunos da rede municipal, a iniciativa, conta Cláudia Costin, vai funcionar como estágio para os universitários. Uma pesquisa da formadora de professores Bernadete Gatti, da Fundação Carlos Chagas, mostrou que os cursos de pedagogia oferecem pouca prática da profissão, acrescenta a secretária de Educação.

Os voluntários e os estagiários vão ter a função de uma explicadora , como são chamadas as professoras particulares, porém não terão remuneração, apenas ajuda de custo para transporte e alimentação. Serão duas aulas por semana, com material didático disponível no site da secretaria para os pais que quiserem usá-lo em casa e uma hora de duração cada, na própria escola ou em ONGs, como a Uerê e a Rede de Desenvolvimento da Maré (Redes), no Complexo da Maré.

Greve contra privatização

O Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação (Sepe) convocou os profissionais da rede municipal de ensino a cruzarem os braços hoje. O objetivo é permitir que professores, funcionários administrativos, pais e alunos possam ir à Câmara Municipal pressionar pela barração do projeto do prefeito Eduardo Paes que propõe a privatização dos serviços de apoio, merendeira, inspetores de alunos e serventes em todas as escolas.