Prefeitura faz provas para combater o analfabetismo funcional na rede

Bruna Talarico, Jornal do Brasil

RIO - Resultado indireto do sistema de aprovação automática vigente até o início da gestão do prefeito Eduardo Paes, quando foi extinto, o alto nível de analfabetismo funcional aquele que permite juntar letras e palavras, mas não confere sentido ao texto escrito ou lido na escola será combatido a partir desta terça na rede municipal de ensino. A Secretaria Municipal de Educação começa a redefinir as regras do ensino público com uma ação que começa com uma prova para identificar e realfabetizar os alunos de 4º, 5º e 6º anos com a dificuldade e termina com outro exame, no dia 19, para medir os conhecimentos de português e matemática, para detetar quem precisa de recuperação, passando pela aplicação de provões bimestrais com o mesmo conteúdo para todas as escolas.

A criança que não consegue entender o que lê ou dar sentido ao que escreve precisa ser tirada de sala e ser realfabetizada explica a secretária de Educação, Claudia Costin. Para isso é fundamental que todas as crianças compareçam às provas desta terça-feira e do dia 19 para que possamos saber se elas estão completamente alfabetizadas ou se ainda precisam de reforço.

Exercícios de interpretação

A prova de hoje será composta por exercícios de interpretação de textos e redação. Os alunos que tiverem o analfabetismo funcional detetado serão realocados em turmas de realfabetização, fora do horário escolar, em um processo que começa em abril e tem duração inicial de oito meses, podendo ser alterada de acordo com a dificuldade do aluno. No fim da realfabetização, todos os alunos do programa serão submetidos a nova avaliação, que determinará quem está apto a voltar para o sistema normal de educação, composto só pelas aulas de conteúdo específico para cada série, sem necessidade de repetir o ano por conta do acompanhamento especial.

Farão a prova de hoje 60.977 alunos do 4° ano, 60.943 do 5° e 89.185 do 6°. Para integrar a equipe de realfabetização, que só será consolidada após a avaliação, serão usados professores da rede municipal e voluntários do Instituto Ayrton Sena, que já estão em formação desde o início da nova administração municipal.

Na prova do dia 19, chamado de dia D pela secretária, os alunos serão avaliados quanto aos conteúdos de português e matemática ensinados no ano anterior. Já os alunos do 2º ano serão submetidos a uma avaliação de português, que medirá como anda o processo de alfabetização.

Vamos tentar entender quais são as outras dificuldades de aprendizado que as crianças têm resume Cláudia.