Ampla reduzirá tarifa em 1,23% para consumidores de baixa tensão

JB Online

RIO - A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira (10/03) o índice final de revisão tarifária da distribuidora de energia elétrica Ampla, que atende a 66 municípios do Estado do Rio de Janeiro. A partir do dia 15 de março, a conta dos consumidores atendidos em baixa tensão (em sua maioria residências, comércio e domicílios rurais) cairá 1,23%, voltando a patamares similares a 2005. Os grandes consumidores (atendidos em média e alta tensão), por sua vez, terão uma revisão que irá variar de -1,05% a 5,04%. A revisão média foi de 0,82%. Realizada a cada quatro anos, a revisão tarifária visa redefinir o equilíbrio econômico-financeiro da distribuidora.

A redução da tarifa para o consumidor residencial foi impactada pela redução de 4,22 ponto percentual no índice de perdas da distribuidora de 2003 a 2008, reflexo de sua política de combate ao furto de energia, pelos ganhos de eficiência operacional da Ampla e pela redução do custo médio de capital (que define a remuneração das concessionárias).

Desde 2005, a Ampla adota uma tecnologia inovadora de combate ao furto, o Ampla Chip, que tem coibido as ligações irregulares. O sistema consiste na utilização de medidores eletrônicos em substituição aos tradicionais relógios eletromecânicos. Os novos medidores armazenam e enviam remotamente as informações de cada cliente para a central de dados da Ampla.

- Só para se ter uma idéia, de 2005 a 2009, a tarifa dos consumidores residenciais da distribuidora aumentou 3,6%, enquanto a inflação medida no mesmo período pelo Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) variou 24,34% e pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) variou 20,59% - disse o Diretor de Comunicação da Ampla, André Moragas.

Com esse índice autorizado pela Aneel, de cada R$ 100 que o consumidor fluminense paga em sua conta, R$ 45 correspondem a encargos e tributos embutidos na tarifa, outros R$ 32 cobrem os custos de compra de energia e transmissão. Os R$ 22 restantes ficam com a Ampla para cobrir seus custos de operação e manutenção e realizar os investimentos necessários ao atendimento.