Especialistas pedem ações definitivas e investimento

João Paulo Aquino, Jornal do Brasil

RIO - A faixa reversível usada na pista superior do Elevado do Joá é uma opção para os motoristas que têm de sair do bairro e ir trabalhar de manhã em outras regiões da cidade. Mas, apesar de desafogar o trânsito, a medida está longe de ser uma solução definitiva. Descongestionar as saídas da região requer ações mais complexas, com investimentos maiores e mais bem programados.

Especialistas apontam a ampliação do metrô até o bairro e a construção de corredores de ônibus, para, aliados ao transporte coletivo de qualidade, atrair as pessoas para deixarem os carros em casa e passarem a usar o transporte público.

Outra solução seria a construção, numa cidade espremida entre o mar e a montanha, de circuitos marítimos que ligassem o afastado bairro ao Centro. Mas, apesar de as soluções serem antigas, até agora nenhum projeto saiu do papel.

O Corredor T5 é um projeto da prefeitura e vai ser executado diz Alexandre Sansão, secretário municipal de Transportes. Em maio vamos dar início às licitações e até o fim do ano começam as obras.

Promessa antiga

A construção da linha 4 do metrô será feita pelo governo do estado com contribuição da prefeitura. Em 9 de fevereiro, o prefeito Eduardo Paes e o governador Sérgio Cabral apresentaram o novo trajeto, partindo de Ipanema, da Estação General Osório. A demanda esperada é de 200 mil passageiros por dia. A população beneficiada é estimada em 800 mil pessoas.

Não posso dar prazos porque a execução não é nossa. A gente apóia, vamos dar nossa ajuda com estudos, levantamentos, mas não podemos dizer quando vão ser iniciadas as obras esclareceu.

Perigo em alto-mar

Quanto à construção de uma rede marítima de interligação da cidade, o secretário confirmou não haver projeto algum em estudo.

Isso é apenas uma ideia, não existe projeto. A navegação em mar aberto não é simples, o custo é alto, porque teríamos de construir píeres em várias localidades. Esses pontos teriam estruturas complexas. Não é como a barca Rio Niterói, em uma baía fechada ponderou.