Duplicação da BR-101 Norte pode começar ainda este ano

JB Online

RIO - O secretário Estadual de Transportes, Julio Lopes, se reuniu, nesta segunda-feira (02/03), com a prefeita de Campos dos Goytacazes, Rosinha Garotinho, o de Macaé, Riverton Mussi, o de Quissamã, Armando Carneiro, e de outros municípios por onde passa a BR 101 Norte para discutir a antecipação do cronograma de duplicação da estrada entre Niterói e a divisa com o estado do Espírito Santo, num total de 320 quilômetros. No encontro, que aconteceu em Campos, a concessionária OHL Autopista Fluminense apresentou o projeto de obras, com foco para o trecho entre Campos e Rio Dourado, o mais crítico deles, previsto para ficar pronto apenas em 2022.

A prefeita de Campos afirmou que esse trecho é considerado pela Sociedade Brasileira de Clínica Médica e a Faculdade de Medicina de Campos como caso de saúde pública. Nessa parte da estrada, as curvas são muito sinuosas, aumentando o risco de acidentes, que, na maioria das vezes, deixam seqüelas, quando não provocam a morte dos condutores e passageiros.

O secretário de Transportes Julio Lopes disse que a duplicação imediata da BR.101 Norte é de total interesse do Governo do Estado. Ele lembrou que além dos riscos a segurança dos motoristas, a ampliação da via é estratégica para o desenvolvimento econômico da região Norte do estado.

- Nós vamos acompanhar todas as negociações de perto. A duplicação da estrada é fundamental para viabilizar o acesso rodoviário dos grandes pólos industriais e off shore que estão surgindo na região, como o Complexo Farol da Barra do Furado, o Porto do Açu e o aeroporto do Farol de São Tomé, que trarão grandes investimentos para a região e movimentação intensa na estrada. Vamos negociar com a ANTT e com o Governo Federal para chegarmos a uma solução rápida para que a obra comece logo afirmou Julio Lopes.

Uma das alternativas apontadas para a finalização das obras até 2014 é o reajuste do pedágio na via. Segundo a concessionária OHL, o pedágio desta estrada, que custa R$2,50, é o mais barato do Brasil, precisaria passar por um reajuste, de aproximadamente R$0,80, para que o cronograma possa ser antecipado. O superintendente da OHL, Alberto Gallo, argumenta que este pequeno reajuste já seria suficiente para realizar todas as mudanças solicitadas pelos representantes do município. Mas o reajuste pode não acontecer, caso o governo federal auxilie no processo.

- Esse valor pode ser cobrado aos poucos. Podemos tentar um aumento de R$0,20 ao ano até o fim das obras, que tem previsão de terminar em quatro anos. Com isso, se a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) aprovar o aumento e conseguirmos o financiamento junto ao BNDES, pode-se dar início às obras ainda no fim deste ano ou logo no início do ano que vem - revelou Gallo.

O coordenador geral da ANTT, Honorato Cordeiro Pereira, que também participou da reunião, afirmou que a agência está disposta a ajudar no que for possível para que as obras se realizem.

- A Agência está, com certeza, de braços abertos para que esse projeto aconteça. De nossa parte, não haverá problemas garantiu o coordenador.

No entanto, a diretoria da OHL Autopista Fluminense lembrou que pode haver dificuldades na liberação dos processos ambientais, já que ao longo da via encontram-se reservas ecológicas. O secretário de Transportes, Julio Lopes, disse que irá marcar uma reunião com a secretária do Ambiente, Marilene Ramos, e o Ministro de Meio Ambiente, Carlos Minc, para encontrar as melhores soluções.

- Essa é uma obra prioritária. Vamos conversar e encontrar saídas juntos para que os usuários da estrada possam ser beneficiados, mas sem que o meio ambiente sofra com isso comprometeu-se o secretário.

A nova BR 101 Norte

A concessionária OHL Autopista Fluminense apresentou o novo projeto para a BR 101 Norte com obras além das previstas no Programa de Exploração da Rodovia (PER), que especifica as condições para a execução do contrato de concessão da rodovia.

Entre as obras previstas no PER estavam o contorno de Campos, em pista simples no lado oeste (do km 55 ao 85), para 2012; e a duplicação da pista entre Campos e Rio Dourado (km 85 ao 190), previsto para 2022, com vistas ao início das atividades do Complexo Farol da Barra do Furado, o Porto do Açu e o aeroporto do Farol de São Tomé, que demandarão grande investimento na região e movimentação intensa na estrada. Além disso, o projeto apresentado prevê também a duplicação do trecho inicial da rodovia, da divisa com Espírito Santo até Campos (do km 0 ao 55).

O diretor superintendente da concessionária, Alberto Gallo, explicou que esta é apenas uma proposta apresentada. Ainda haverá conversas com representantes dos municípios para possíveis mudanças no projeto, de acordo com a necessidade de cada região. A previsão é que, depois de aprovação da ANTT e do BNDES, além da finalização dos processos ambientais necessários, todas as obras estejam finalizadas em quatro anos.

O secretário de Transportes, Julio Lopes, afirmou que, como representante do governo do Estado, ficará à frente das negociações com o governo federal.

- Estou aqui, representando o governador Sérgio Cabral e posso afirmar que tudo que for possível o governo do Estado, como interlocutor, fará junto ao governo federal para viabilizar as obras. Queremos iniciar essas melhorias rapidamente declarou o secretário.

Também participaram do encontro o subsecretário Estadual de Transportes, Delmo Pinho; o prefeito de Macaé, Riverton Mussi; a prefeita de São João da Barra, Carla Machado; o prefeito de Quissamã, Armando Carneiro; o prefeito de São Fransisco de Itabapoana, Beto Azevedo; o prefeito de Rio Bonito, José Antonio Mandiocão; os deptados estaduais, João Peixoto e Wilson Cabral; o diretor de projetos da OHL, Antônio Coudy Narita; secretários e comandantes de empresas de trânsito de Tanguá, Silva Jardim, Casimiro de Abreu, Rio das Ostras, Quissamã e Carapebus.