Obras na Rio-Santos aquecem economia da região

JB Online

RIO - Com a retomada das obras de duplicação da Rodovia Rio-Santos (BR 101), os negócios da Costa Verde estão sentindo que a economia vai respirar ares mais leves. Tais perspectivas de melhoria foram comunicadas em reunião ocorrida na última quinta-feira, na Prefeitura de Itaguaí, entre o secretário de Transportes, Julio Lopes, os prefeitos Tuca Jordão, de Angra do Reis, e Charlinho, de Itaguaí, além de representantes do Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes (Dnit).

- A Rio-Santos é a espinha dorsal da Costa Verde. Perdemos turismo e investimentos das indústrias com o atraso dessas obras - lembrou Charlinho.

Paralizada há três meses, a obra, que começou em março de 2007, estava prevista para ser finalizada em abril deste ano. Durante a reunião, o Dnit garantiu que, até dezembro, todo o trabalho previsto estará concluído. A primeira etapa inclui a duplicação de 26 quilômetros de estrada, desde Santa Cruz até o acesso à Itacuruçá, e já está 50% finalizada.

A segunda etapa, que deve ser licitada no próximo dia 5, inclui o recapeamento da pista principal e a construção de viadutos e passagens inferiores.

A Rio-Santos é uma estrada de vital importância para a economia do estado. É o principal acesso ao Porto de Itaguaí, na Bacia de Sepetiba, e ao complexo siderúrgico da CSA. A estrada leva também aos municípios da região de Costa Verde, que estão sofrendo impacto negativo no turismo por causa da demora na conclusão dos trabalhos.

Turismo em baixa

- A Associação Brasileira da Indústria Hoteleira fez uma pesquisa que mostrou queda de 30% no turismo da Costa Verde em 2008, em comparação com os dois anos anteriores. Temos pressa de ter esta obra da rodovia finalizada - disse Tuca Jordão.

O prefeito afirmou que o caos no trânsito causado pela obra fez o turismo cair na cidade, mas disse que o carnaval poderá movimentar o setor. A principal novidade será a Passarela do Samba, instalada na Avenida Julio Maria, no Centro, por onde irão desfilar os tradicionais blocos carnavalescos da cidade.