Sindicato acusa CSN de ilegalidade por causa de turno de oito horas

JB Online

RIO - Para compensar a demissão de trabalhadores nas duas últimas semanas, a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) adotou turno de oito horas em talguns setores da empresa. O Sindicato dos Metalúrgicos do Sul Fluminense diz que é ilegal. A jornada legal é de seis horas.

A discussão entre CSN e sindicato terminou em mesa redonda na Delegacia Regional do Trabalho, que ouviu as partes e vai pesquisar nos documentos apresentados se o turno de oito horas é irregular.

Outra reunião ficou marcada para esta semana, dia 12, O sindicato se considera desrespeitado.

- A empresa fez uma mudança unilateral, sem comunicar nada a entidade. No encontro do dia 12, vamos verificar se ocorreu alguma mudança na empresa com relação a este assunto - afirma o líder sindical, Renato Soares.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais