G-Mar registra 328 afogamentos no feriado

Eduardo Tavares, JB Online

BARRA - O último dia do feriado prolongado registrou um número impressionante de resgates nas praias da Barra e Recreio. Segundo o Grupamento Marítimo da Barra (2º G-Mar), somente

hoje foram registrados 328 afogamentos e 119 crianças

perdidas no trecho localizado entre o Quebra-Mar e o fim do

Recreio. De acordo com o comandante do 2º G-Mar, coronel Ricardo Nunes, as repentinas sequências de ondas fortes e a grande quantidade de banhistas ocasionaram o elevado número de afogamentos. O balanço de ocorrências durante os quatro

dias foi de 433 salvamentos e 191 menores perdidos. Apesar de alguns casos graves, nenhum óbito foi registrado.

Após o resgate, as vítimas com quadro mais delicado foram levadas

para os hospitais Lourenço Jorge, na Barra, e Miguel Couto, na Gávea.

- Foi uma combinação explosiva. Sol forte, feriado e mar traiçoeiro. Apenas uma das nossas lanchas fez mais de 100 salvamentos na Barra. O mar estava aparentemente calmo, com

ondas de um metro. Repentinamente surgiam séries com ondas maiores. No recuo da espuma, o grande volume de água arrastava as pessoas para fora da arrebentação explicou Ricardo Nunes. Desde o início da manhã, colocamos três embarcações no mar, distribuímos 120 guarda-vidas pelos

postos de salvamento espalhados pela Barra até Guaratiba e botamos seis ambulâncias de prontidão.

Um helicóptero Águia também foi utilizado no socorro das vítimas. Segundo revelou o comandante do 2º G-Mar, o horário crítico de ocorrências foi entre 10h e 15h. Ele fez questão de frisar o apoio da Capitania dos Portos, que esteve

presente na Praia da Barra.

- Foi fundamental para que o número de vítimas não fosse ainda maior. A presença das embarcações da Capitania inibiu a presença de jet skis que ultrapassam constantemente a

linha da arrebentação para fazer manobras arriscadas disse Ricardo Nunes. O equipamento, quando desgovernado, pode atingir crianças e adultos que estão na beira da praia.

O coronel alertou que, caso faça sol, o alto número de afogamentos deve se repetir nos próximos fins de semana na Barra. O desconhecimento das condições do mar e a displicência por parte dos banhistas aumentam o trabalho dos bombeiros.

O banhista Marcelo de Souza, de 20 anos, aguardava preocupado o resgate do primo Igor, de 21.

- Avisei para ele não abusar. Disse que sabia nadar. Após um sequência de ondas grandes ele foi puxado para fora da arrebentação. Entrar no mar como o de hoje parece fácil, mas

sair sozinho é um problema.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais