Rio registra 17.547 novos postos de trabalho em novembro

JB Online

RIO - O ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, divulgou nesta segunda-feira, em Brasília, dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) para o mês de novembro, informando que o Rio de Janeiro registrou aumento do número de empregos gerados no período.

As informações por unidades da Federação mostram que os destaques positivos couberam aos estados do Rio de Janeiro (+ 17.547 postos ou + 0,59%), Rio Grande do Sul (+ 8.036 postos ou + 0,39%) e Ceará (+ 4.245 postos ou + 0,58%).

Por outro lado, os maiores declínios nos números de empregos ocorreram nos estados de Minas Gerais (- 33.921 postos de trabalho ou -1,01%), São Paulo (- 20.884 postos ou - 0,20%), Mato Grosso (- 8.025 postos ou - 1,76%) e Goiás (- 6.238 postos ou - 0,74%).

Tais desempenhos estão fortemente influenciados pela entressafra no Centro-Sul do país, como também por fatores conjunturais, informou o ministério em sua página na Internet.

De acordo com os números do Caged, o nível de emprego formal celetista no país apresentou ligeira queda de 0,13% em novembro em relação ao estoque de assalariados celetista do mês anterior, o que representou uma perda de 40.821 empregos. Em coletiva à imprensa, o ministro do Trabalho e Emprego lembrou que, tradicionalmente, os dados do Caged mostram que em novembro se verifica uma redução no ritmo de crescimento ou queda no emprego, comportamento influenciado por fatores sazonais conjugados com os movimentos conjunturais. Em novembro de 2008, esse declínio do emprego, além de refletir uma marcante sazonalidade, parece indicar a presença dos efeitos negativos da crise financeira internacional.

O Brasil gerou mais de dois milhões de empregos de janeiro a novembro. Entre 2003 e 2008, foram gerados 8.375.918 postos de trabalho celetistas. Atualmente, o estoque de trabalhadores formais no país é de 31,07 milhões. Em novembro, o desempenho do Caged foi negativo em 40 mil vagas.

Durante a entrevista, o ministro Carlos Lupi disse que, de janeiro a novembro, a geração de empregos formais no país bateu recorde: foram 2,107 milhões de postos de trabalho criados, uma alta de 7,27% em relação ao estoque de dezembro de 2007.

- Mais gente desfrutando de direitos como férias remuneradas, 13º salário, seguro-desemprego, FGTS. Este resultado é o maior da série histórica do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados para o período, superando em 8,8% o recorde anterior ocorrido em 2007 (+ 1.936.806 postos de trabalho ou 7,08%) afirmou Lupi.