Hora e local de carga e descarga não são respeitados em Niterói

Isabel de Araujo, Jornal do Brasil

RIO - Depois de se livrar dos congestionamentos diários que acompanham o período escolar, os motoristas de Niterói passaram a lidar com um novo obstáculo no trânsito da cidade: a falta de ordenamento no horário e nos pontos de carga e descarga. Desde o começo do mês, motoristas e pedestres reclamam que não é preciso andar muito para flagrar caminhões estacionados irregularmente nas ruas e calçadas.

O JB Niterói circulou, ontem, pelo município e, em menos de 30 minutos, registrou irregularidades na Região Central e nos bairros de Icaraí e Santa Rosa, ambos na Zona Sul. Apenas na Rua Mariz e Barros, em Icaraí, pelo menos quatro caminhões descarregavam produtos fora da área estabelecida para a prática. Um dos veículos chegou a estacionar em cima da calçada atrapalhando a passagem de pedestres.

No Centro, os veículos foram estacionados em duas esquinas e prejudicaram o tráfego entre as ruas Almirante Teffé e 15 de Novembro e também na 15 de Novembro com Doutor Borman. Em Santa Rosa, o problema estava na rua que dá nome ao bairro. Caminhões estacionaram em ambos os lados da pista provocaram sérios congestionamentos.

É uma total falta de educação. Entendo que as lojas precisem receber os produtos, mas que as distribuidoras entreguem durante a madrugada desabafa o advogado Mateus Pessa, morador de Icaraí.

O universitário Alan Quaresma também tem reclamações.

Durante o período das aulas preciso sair de casa mais cedo para não ficar preso em filas duplas de pais que levam os filhos para a aula. Agora nas férias, preciso fugir das entregas desordenadas reclama o jovem.

Representante confirma

O presidente da Niterói Trânsito e Transporte (Nittrans), Ricardo Lanzellotti, confirma que no mês de dezembro aumenta o número de irregularidades praticadas por motoristas. Dentre as maiores infrações, está o estacionamento irregular que é uma penalidade média e custa a perda de quatro pontos na carteira e o pagamento de multa de R$ 85,13.

Apenas no fim do mês saberei o total de irregularidades autuadas. Mas, visualmente, consigo identificar que o número já aumentou. Não apenas em Niterói, mas em todo o Estado diz Lanzellotti.

E se não bastasse aos niteroienses ter que conviver com a facilidade com que os entregadores sempre dão um jeitinho de parar os carros, motoristas e pedestres ainda precisam lidar com um número reduzido de agentes de trânsito, que tem no seu efetivo 104 agentes. Contudo, na prática atuam apenas 90, divididos em três turnos.

O restante está de licença, folga e férias enumera Lanzellotti. Sem dúvidas, o efetivo não é satisfatório. O número ideal seria entre 200 a 210 agentes atuando nas ruas enfatiza.

Vale lembrar que a frota de Niterói ultrapassa 200 mil automóveis e as vias da cidade ainda recebem veículos de outros municípios, o que dá uma média de, no mínimo, 2.222 carros para cada agente de trânsito fiscalizar.