Engenheiro morto no Rio pode ter contraído o vírus na África do Sul

Fernanda Thurler, JB Online

RIO - Especialistas suspeitam que a morte do engenheiro sul-africano, de 53 anos, foi provocada por um contato com um tipo de vírus que pode ser contraído através de urina ou fezes de ratos, o arenavírus, em um hospital de Joanesburgo, na África do Sul. Há relatos de que uma pessoa visitou a Zâmbia, país do interior da África, logo depois passou a apresentar os sintomas (febre alta, calafrios, cansaço, vermelhidão no corpo e sangramentos) e procurou atendimento no hospital de Joanesburgo, onde o empresário estava internado, recuperando-se de uma cirurgia ortopédica. Quatro funcionários desta unidade de saúde desenvolveram a doença, três morreram e uma, o estado de saúde é grave.

Nunca houve relatos de exposição ao arenavírus no Brasil. Mas cerca de 50 pessoas que possivelmente tiveram contato com secreções do engenheiro estão sendo monitoradas pela Secretaria de Vigilância e Saúde do Ministério da Saúde. Não há contágio pelo ar.

- A transmissão é feita só para pessoas que tiveram contato com o sangue, saliva, urina, vômitos do paciente. As pessoas que tiveram nos mesmo locais que o engenheiro, mas sem contato com secreções corporais da vítima não precisam se preocupar. Não há motivo para alarme esclareceu o infectologista da Friocruz, José Cerbino Neto.

Laboratórios da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) recolheram o material do paciente no fim de semana e os resultados preliminares serão divulgados em no máximo quatro dias. Já foram descartados os diagnósticos de dengue, malária e ebola.

O vírus só é transmitido a partir da apresentação dos sintomas. A evolução da doença pode levar a morte em até 10 dias depois do primeiro sintoma, que é a febre. No entanto, há pacientes que reagem bem ao tratamento e até aquele que nem chegam a desenvolver a doença.

O empresário, que teve a identidade preservada, chegou ao Rio na sexta-feira (23), começou a sentir os sintomas na terça (25), só procurou ajuda médica na última sexta-feira (27), e morreu vítima de febra hemorrágica na Casa de Saúde São José, no Humaitá, Zona Sul.