Fecomércio apoia governo estadual e lança programa de combate a dengue

Carolina Bellei, JB Online

RIO - A Federação do Comércio do Rio de Janeiro (Fecomércio) vai entrar no combate a dengue e apoiar o Governo do Estado. Nesta quarta-feira, foi anunciado uma campanha preventiva, educativa e investigativa para auxiliar na identificação dos diversos níveis de incidência da contaminação da doença. De acordo com o governador Sergio Cabral, uma ação preventiva da prefeitura poderia ter evitado a crise provocada pelo mosquito Aedes Aegypti este ano.

Se tivesse tido campanha preventiva da prefeitura não precisaria da ajuda da Fecomércio. Já estamos traçando ações emergencias com o novo secretário do município, Hans Dohmann. Desde que acabou a crise, nada foi feito. Passou julho, agosto, setembro. Já estamos em novembro e não se fez nada alertou o governador, adiantando que nesta quinta-feira haverá uma reunião com o ministro da Saúde, José Gomes Temporão e secretários estaduais de diversas pastas para debater ações contra a dengue.

O governador estendeu o convite ao novo secretário municipal de Saúde.

Segundo Orlando Diniz, presidente da Fecomércio, afirmou que os diversos casos de dengue no Rio chegaram a afetar economicamente o comércio.

Fizemos um levantamento e soubemos que 30% das empresas no estado sofreram com a grande incidência da doença. Os trabalhadores faltaram em média seis dias revelou Diniz.

O programa

A primeira etapa do projeto apresentado no Palácio Guanbara consiste em fazer um levantamento da população residente nas áreas de maior incidência da doença no Rio (Curicica, Anil, Taquara, Gardênia Azul, Bonsucesso, Olaria, Ramos e Penha), Nova Iguaçu (Posse, Cerâmica, Vila de Cava e Santa Rita) e Angra dos reis (Centro, Balneário e Japuíba). As visitas começam nesta quinta-feira.

Outra ação de combate ao Aedes aegypti consiste em fazer um mapeamento de contaminação, projeto desenvolvido com o Instituto de Estudos de Saúde Coletiva da UFRJ. Na prática serão feitas coletas e análises sorológicas de amostra sanguínea para apontar o nível de contágio no município. Os exames serão realizados por alunos de enfermagem do Senac e todas as unidades do Sesc e Senai serão coletoras, a partir do dia 17. O objetivo é que sejam recolhidas amostras de 4,5 mil pessoas aleatoriamente.

Para complementar, 98 agentes voluntários, indicados pela Associação de Moradores de cada região, vão distribuir material educativo para a população. Estão previstas visitas a escolas e empresas de grande porte.

Reunião com as prefeituras

Em dezembro, o secrtário estadual de Saude, Sergio Cortes, anunciou que vai se reunir com os prefeitos eleitos do Rio para discutir o que foi feito no último mês.

- A idéia é que os prefeitos eleitos e os secretários não cheguem no dia 1º de janeiro sem saber o que está acontecendo e com tudo parado - apontou Cortes, evitando entrar em polêmicas sobre as atuais ações de prevenção do governo Cesar Maia.

Hans confirmou que solicitou "informações chaves" ao governo para começar o seu planejamento. Segundo ele, caso seja necessário, ele pedirá ajuda.

- Não importa o que vamos encontrar. Temos que estar preparados para o pior. A idéia é não precisar usar o contingente do exército, espero resolver com o apoio local e estadual. Mas se houver necessidade, vamos pedir ajuda - comentou Hans, que também não descartou a possibilidade do município voltar a contar com as tendas de hidratação no combate a dengue.