Fiscal da CET-Rio é flagrado cobrando propina de flanelinhas no Centro

Felipe Sáles, Jornal do Brasil

RIO - Uma das mais repudiadas heranças da Era Cesar Maia, a desordem urbana vem sendo alimentada pela corrupção de agentes da própria prefeitura. Um video gravado por um leitor do JB revela um esquema de propina num dos trechos mais movimentados do Rio a Avenida Rio Branco, próximo ao Edifício Central e do Largo da Carioca onde flanelinhas fazem das calçadas estacionamento privativo a partir da omissão de agentes da CET-Rio.

Aos sábados, o quarteirão do Largo da Carioca transforma-se em território livre da bandalha: sob as vistas de PMs e guardas municipais que demonstram intimidade com quem deveriam reprimir mais de 10 camelôs oferecem produtos piratas, enquanto ao lado calçadas viram bar a céu aberto e moradores de rua fazem das árvores um varal.

O cara tá vindo, tem de pagar logo o cara avisa um dos dois flanelinhas que fazem ponto na Rio Branco e cobram R$ 5 para motoristas estacionarem o carro na calçada. Betinho, chega aí para desenrolar com o maluco.

Às 11h37 de sábado, chega o Renault prata, placa KUY 8861, sem sequer esconder o adesivo da prefeitura conforme video disponibilizado no JB Online, gravado com uma câmera escondida pelo leitor Pedro Gomes, revoltado com o esquema que acontecia às vistas também de guardas municipais. O carro é estacionado em fila dupla enquanto o agente desce do veículo e negocia com o flanelinha. Em seguida, é o guardador clandestino que vai até o carro e entrega um pacote ao agente.

O carro segue pela Rio Branco enquanto logo em seguida o flanelinha, sem constrangimentos, gesticula e oferece vagas aos carros na avenida. Pedro Gomes busca uma vaga na calçada e finge preocupação com possíveis multas.

Quanto a isso você pode ficar tranqüilo, o guarda já levou o dele... afirma o flanelinha, descontraído. Sempre leva, né, irmão. Isso aqui é terra de Serginho Naya, Renan Calheiros, lembra deles? É área deles, é minha área e tua área.

Bandalha ao atravessar rua

O quarteirão da desordem continua simplesmente atravessando a rua, onde encontra-se um guarda municipal atuando no trânsito e outros dois supostamente reprimindo a desordem urbana. Às 11h43, mais de 10 ambulantes exibem programas de computador em frente a uma loja de informática, no Edifício Avenida Central enquanto um guarda municipal conversa com um homem que fica no local como se coordenasse os camelôs.

O guarda olha para os lados, faz sinal de positivo e sai, passando ao lado de diversos produtos piratas. Mais a frente, outro guarda conversa tranquilamente enquanto a abundância de mercadorias piratas continua. Há mais pessoas vendendo CDs piratas do que clientes, ao ponto de se iniciar uma briga entre os camelôs.

Na mesma esquina, ainda na Avenida Rio Branco no lado oposto onde fica a calçada que tornou-se caixa dois de agentes da CET-Rio outro ambulante aproveita a inoperância do poder pública. Uma barraca é montada na calçada, onde são vendidos churrasco e cerveja com direito a mesas e cadeiras para os clientes.

Uma hora depois, a bandalha continua à revelia da Guarda Municipal que, 10 metros a frente, no Largo da Carioca, mantém um ônibus com cinco guardas reunidos. No local também há uma cabine da Polícia Militar e uma viatura, que nada fazem para reprimir o crime. O abandono da cidade é refletido entre os moradores de rua, que transforma em varal de roupas uma árvore na principal avenida da cidade.

Prefeito pede prisão de agentes e órgãos abrem sindicância

Enquanto os agentes da CET-Rio fazem caixa-dois, e os guardas municipais vista grossa à bandalha, resta aos cidadãos pagar a conta e, ao prefeito Cesar Maia, cobrar agora uma ação de seus subordinados. O alcaide pediu a prisão dos agentes, enquanto os órgãos abriram sindicâncias para apurar as denúncias veiculadas pelo JB.

Isso é delito, crime de agente nosso afirmou o prefeito, ao ser procurado por e-mail pelo Jornal do Brasil e redirecionar a mensagem para os presidentes da CET-Rio e Guarda Municipal. Precisamos identificar o agente e levá-lo as grades. Precisamos ver esse video urgente.

A CET-Rio instaurou uma sindicância administrativa para apurar os fatos. A companhia já confirmou que o veículo da prefeitura que esteve no local para receber o suborno de fato é usado pela prefeitura.

Em nota, a CET-Rio afirmou que não medirá esforços no sentido de apurar se houve desvio de conduta por parte de algum funcionário. Comprovada a irregularidade, aplicará a punição devida que pode ser desde demissão sumária até o indiciamento do acusado.

GM vai apurar denúncias

Embora não haja provas concretas de propina paga também aos guardas, a omissão no quarteirão da bandalha também será apurada pela Guarda Municipal. As informações sobre o bar montado na calçada ao lado de dois guardas municipais foram repassadas à 1ª Inspetoria (Centro) a fim de apurar o que aconteceu e viabilizar ação de retirada do estabelecimento .

Segundo a GM, 26 agentes atuam no Centro aos sábados realizando controle urbano (inibição de comércio irregular). A GM vai avaliar o video veiculado pelo JB Online, mas ressaltou que os ambulantes costumam apenas anunciar mercadorias nas calçadas e escondem produtos em outros locais limitando assim a ação dos guardas.

O esquema do fiscal

Pedro: ...Me deixe parar aí só 10 minutinhos para esperar minha esposa chegar de viagem? Parar aí pode?

Flanelinha: Tem uma vaguinha aqui, quer uma vaguinha, meu bom?...

Pedro: ...Não, eu vou ficar no carro, só 10 minutinhos...

Flanelinha: Eu sei, mas são só R$ 5, isso aqui (a vaga) é filho único. Mas aqui pode deixar e ir embora, é tranqüilo, meu bom. Faço R$ 5 para o senhor? Te boto numa vaga boa...

Pedro:...Mas e o guarda, não vai multar não?

Flanelinha: Quanto a isso você fica tranqüilo, o guarda (agente da CET-Rio) já levou o dele...

Pedro: ...Ah, o guarda já levou o dele?

Flanelinha: Ah, sempre leva né, irmão. Isso aqui é terra de Serginho Naya, Renan Calheiros, lembra? É minha área e tua área...