Liminar proíbe terceirização em hospital de Petrópolis-RJ

JB Online

RIO - O Hospital Alzira Vargas do Amaral Peixoto (Casa da Providência),

mantido pela Associação São Vicente de Paulo de Petrópolis, está

proibido de contratar médicos através de empresas terceirizadas ou como autônomos, inclusive nas áreas de obstetrícia, CTI e operação de

aparelhos de ressonância magnética e raio-X. A liminar é da juíza Adriana Maia de Lima, da 2ª Vara do Trabalho de Petrópolis, em ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público do

Trabalho no Rio de Janeiro.

Para o procurador Cássio Casagrande, autor da ação, ficou demonstrado em

procedimento investigatório que o Hospital contrata médicos plantonistas como se fossem autônomos ou então por intermédio de empresas, que na verdade têm como finalidade descaracterizar o vínculo de emprego.

Segundo Casagrande, alguns dos médicos já haviam inclusive trabalhado como empregados, porém foram aconselhados pela direção do hospital a constituírem uma pessoa jurídica.

A investigação foi iniciada a partir de representações encaminhadas pelas Varas do Trabalho de Petrópolis, que deram ciência ao MPT no Rio de que a questão vinha sendo levada a juízo em reclamações individuais, muitas das quais culminaram em condenação de reconhecimento do vínculo de emprego. Ao final do inquérito civil, o Ministério Público do Trabalho tentou solucionar o caso propondo ao investigado a

assinatura de um termo de compromisso de ajustamento de conduta, porém a associação mantenedora do hospital recusou-se a assiná-lo.