Lei seca reduz em 16% número de vítimas de acidentes de trânsito

JB Online

RIO - O número de vítimas de acidentes de trânsito atendidas pelo Grupamento de Socorro de Emergência (GSE) no segundo mês em vigor da lei seca caiu 16%, em relação ao mesmo período de 2007. Isso equivale a menos 283 vítimas de acidentes automobilísticos registrados no Ri , entre 20 de julho e 20 de agosto deste ano.

No primeiro mês da entrada da lei em vigor, o GSE havia registrado queda de 26% no total de vítimas atendidas, em relação ao período entre 20 de junho e 20 de julho de 2007 o que representou 438 vítimas a menos. Já o total de vítimas de atropelamentos atendidas, tanto no primeiro quanto no segundo mês da nova lei, foi 19% menor, quando comparado com o número registrado em igual período no ano passado.

Enquanto que o horário que concentra maior número de atendimentos às vítimas de acidentes de trânsito continua sendo a partir das 16 horas, o Centro da cidade apresentou maior queda no total de ocorências atendidas (12%), vindo a seguir a Barra da Tijuca, que teve queda de 7%. Entre junho e julho, a queda foi mais expressiva no caso da área central (20%), tendo se mantido a média na Barra da Tijuca. As duas regiões, junto com Campo Grande, respondem por 25% do total de atendimento às vítimas de acidentes feitos pelo GSE.

A estat¡stica feita pelo GSE mostra ainda diminuição de 50% no total de motoristas envolvidos em acidentes de trânsito com hálito alcoólico, desde o início da nova regra.

Pesquisa feita junto aos profissionais que atuam nos carros do GSE mostra que, se antes 30% dos motoristas apresentavam hálito alcoólico, no segundo mês da lei seca isso ocorreu com 15%.

O GSE é responsável pelo atendimento da grande maioria (entre 70% e 80%) das vítimas de acidentes de trâsnsito no Rio.

Já o Samu do Rio, que até o ano passado atendia praticamente apenas ocorrências dentro da casa do paciente e agora atende entre 20% e 30% das vítimas de trânsito, registrou redução de 8,5% no serviço desde o início da lei seca, comparando-se os atendimentos nos dois meses anteriores. Entre 20 de abril e 20 de junho, o serviço atendeu a 355 vítimas enquanto entre 20 de junho e 20 de agostoo total de atendimento caiu para 325.